24°
Máx
17°
Min

Proposta do PT sobre novas eleições não prevê plebiscito

Dois dias depois de o Senado aprovar o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, o PT anunciou nesta sexta-feira, 2, que irá defender a realização imediata de eleições diretas no País. A proposta do partido não prevê a convocação de um plebiscito para consultar a população.

A decisão foi tomada nesta sexta-feira em reunião das lideranças do partido na sede do diretório nacional, em São Paulo, com a presença do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Segundo parlamentares petistas que participaram da reunião, todos concordaram com esta posição.

A decisão representa uma mudança de postura do partido. Antes do impeachment, o presidente do PT, Rui Falcão, chegou a afirmar que não via viabilidade para a realização de novas eleições, com o argumento de que não haveria tempo. Dilma, por sua vez, defendeu a realização de um plebiscito para consultar a população sobre novas eleições.

Em nota distribuída a jornalistas nesta sexta, o PT diz que a sua postura, "diante deste cenário, não poderá ser outra que não aquela enunciada pela companheira Dilma, quando anunciou a mais firme, incansável e enérgica oposição que um governo golpista pode sofrer. Nosso objetivo central é colocar fim ao governo do usurpador Michel Temer e conquistar o direito do povo eleger, direta e imediatamente, um novo presidente da República".

O partido alega que, se antes havia divergências internas sobre a convocação de novas eleições, "agora a situação é outra".