28°
Máx
17°
Min

PT estuda novo pedido de impeachment de Temer com base em delação de Machado

O líder do PT na Câmara, deputado Afonso Florense (BA), afirmou nesta quarta-feira, 15, que a área jurídica do partido estuda apresentar um novo pedido de impeachment do presidente em exercício Michel Temer, com base na citação ao peemedebista feita pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado em delação premiada. Segundo o petista, o partido aguarda a apresentação das provas contra o peemedebista para embasar esse novo pedido.

"Estamos estudando um novo pedido de impeachment, mas preferimos só tomar uma providência quando as provas forem apresentadas", disse Florense ao Broadcast Político, serviço em tempo real da Agência Estado. Para o líder, as acusações feitas por Machado são graves. Ele argumenta, porém, que o PT não fará o mesmo que o PMDB e outros partidos articuladores do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff fizeram: apresentar um pedido de impeachment sem provas.

Atualmente, já tramita na Câmara outro pedido de impeachment de Temer, sob acusação de que ele cometeu crime de responsabilidade ao assinar decretos de crédito suplementar sem autorização do Congresso (mesmo argumento usado para embasar o impeachment de Dilma). O processo foi aberto na Casa por ordem do Supremo Tribunal Federal, mas a comissão que analisará a representação não foi instalada, pois líderes aliados de Temer se recusam a indicar seus representantes.

O líder do PT na Câmara descartou uma possível solicitação de aditamento das denúncias feitas por Machado na delação a esse primeiro pedido de impeachment. "Não são fatos correlatos", disse. Florense afirmou que, para o partido, Temer e Dilma não cometeram crime de responsabilidade com os decretos. Mesmo assim, o PT vai aumentar a cobrança pública para que os líderes indiquem membros para comissão, em uma forma de pressão política contra Temer.

Como mostrou mais cedo o Broadcast Político, o PSOL também deve apresentar um novo pedido de impeachment contra Temer com base na delação premiada de Sérgio Machado. "É bem possível", disse o líder da legenda na Câmara, deputado Ivan Valente (SP). Segundo o parlamentar, a sigla também deve protocolar um pedido para que a Procuradoria-Geral da República (PGR) investigue o presidente da República em exercício.