21°
Máx
17°
Min

Queremos um Brasil em que o governo tenha credibilidade, diz Jucá

(Foto: José Cruz/ Agência Brasil) - Queremos um Brasil em que o governo tenha credibilidade, diz Jucá
(Foto: José Cruz/ Agência Brasil)

O ministro do Planejamento, Romero Jucá, afirmou há pouco que o governo precisa recuperar a credibilidade e isso passa por reforçar a segurança jurídica. "Não é possível o governo falar, e as pessoas não acreditarem. Não é possível o ministro da Fazenda falar, e o mercado financeiro não dar credibilidade", afirmou Jucá, em discurso na abertura do XXVIII Fórum Nacional, evento promovido no Rio pelo ex-ministro do Planejamento João Paulo dos Reis Velloso.

Para Jucá, o Brasil conseguiu ser um "player mundial" e depois foi perdendo sua "consistência" por uma série de erros. "Não queremos definir culpados, mas é preciso fazer o correto diagnóstico", afirmou o ministro.

Jucá demonstrou otimismo com o governo do presidente em exercício Michel Temer. "O presidente Michel Temer é um homem certo no lugar certo para construir essa base política, pela sua formação, pela sua forma de atuar, pela sua condição de ouvir, por sua formação de jurista, por ter presidido três vezes a Câmara de Deputados", argumentou.

Segundo o ministro, o novo governo está trabalhando para construir uma base parlamentar, pois a estabilidade e a "base política necessária" são necessárias para fazer as mudanças no rumo da economia. Jucá afirmou que a construção da base está em andamento, mas "sem a necessária reforma política ainda". "Nós temos que ter uma base política que sustente as medidas econômicas, as medidas de ajuste, as novas formas de governança e gestão", discursou Jucá.

Além da base política para aprovar reformas, o novo governo deve atuar para reforçar a segurança jurídica, disse o ministro. As mudanças feitas pelo governo Dilma Rousseff no setor elétrico, as interferências na Petrobras e os efeitos disso no setor sucroalcooleiro foram citados como exemplo de insegurança jurídica.

"Um governo não pode ser intervencionista, ideológico, atrasado e ficar mudando regras", disse Jucá, ressaltando que, se houver credibilidade, os agentes econômicos se programarão e investirão. "Se não houver, cada agente tende a criar seu próprio cenário", completou o ministro.