26°
Máx
19°
Min

Renan pede desculpa por bate-boca, mas provoca tumulto com Gleisi

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, suspendeu, por duas vezes em menos de meia hora, a sessão de impeachment da presidente afastada, Dilma Rousseff, na manhã desta sexta-feira, 26. Após briga de parlamentares, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), foi acalmar os ânimos, mas acabou piorando a situação. Com isso, o intervalo do almoço foi antecipado.

Renan começou elogiando Lewandowski, que preside o julgamento no Congresso, e pediu que os senadores tivessem mais respeito ao ambiente e aos colegas. Ele também chegou a pedir desculpas ao professor Luiz Gonzaga Belluzzo, primeira testemunha de defesa, pelo constrangimento a ele e ao País. "Não podemos apresentar essa imagem à sociedade", disse Renan.

Logo depois, porém, o peemedebista disse: "Fico muito triste porque essa sessão mostra que a burrice é infinita. Ontem a Gleisi chegou a dizer que o Senado não tem moral para julgar o impeachment", afirmou. "Justamente a senadora que o presidente do Senado livrou de um indiciamento no STF".

Gleisi rebateu o comentário e, a partir deste momento, a confusão se tornou generalizada. Lewandowski teve de suspender a sessão mais uma vez e decidiu só retomar os trabalhos após o almoço.

Dia acalorado

Antes desse episódio, os senadores Ronaldo Caiado (DEM-GO) e Lindbergh Farias (PT-RJ) haviam trocado ofensas no plenário. Caiado voltou a insinuar que o senador petista usava drogas. "Tem uma cracolândia dentro do seu gabinete", disse, referindo-se a Lindbergh como "bandido" e "desqualificado".

Lindbergh rebateu e voltou a gritar que Caiado tinha ligações com o contraventor Carlinhos Cachoeira. "Cachoeira que sabe da sua vida". Os dois tiveram que ser contidos por aliados. Lewandowski levantou contrariado e deixou o plenário.

Após suspender a sessão, o presidente do STF informou que Renan iria se pronunciar. O presidente do Senado disse então que a Casa está perdendo oportunidade de se afirmar como um instituição representativa da sociedade e pediu desculpas ao depoente pelo "constrangimento" gerado pelos colegas. "Vossa excelência (Lewandowski) está sendo obrigado a presidir um julgamento em um hospício", disse. Renan também pediu desculpas ao ministro e ao País pelo comportamento dos senadores.

Em seguida, Renan disparou as acusações citadas contra a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR).

Críticas

O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) criticou a intervenção do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). "Acredito que o presidente Renan perdeu a chance de ficar calado", afirmou. Renan foi convidado a dar uma palavra de apelo aos senadores, para que evitassem discussões e mantivessem a calma. No entanto, acabou intensificando ainda mais as discussões em plenário.

Diversos senadores levantaram de suas cadeiras e partiram para cima do presidente do Senado. Outras discussões paralelas tomaram conta do plenário. Aos gritos de "baixaria, baixaria", Lindbergh ameaçou ler em plenário a delação de Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, que gravou diferentes atores políticos em conversas que pareciam operar pelo processo de impeachment.

As recorrentes discussões em plenário têm levantado questões sobre o nível de rivalidade que poderá causar a vinda da presidente Dilma Rousseff, que deve depor na próxima segunda-feira, 29. "A presidente não vai se intimidar. Se vocês pensam que a presidente tem medo de Caiado, ela não tem!", disse Lindbergh.