28°
Máx
17°
Min

Saída de Cunha desarticula base na Câmara

O afastamento de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) do mandato parlamentar e, consequentemente, do comando da Câmara dos Deputados abriu um cenário de instabilidade no Congresso no momento em que o vice-presidente Michel Temer (PMDB-SP) precisará de uma base aliada robusta para aprovar projetos importantes, principalmente na área econômica, caso assuma a Presidência.

Antes de ser afastado, por decisão do Supremo Tribunal Federal, na quinta-feira, Cunha era apontado como o principal fiel da balança de Temer no Congresso, por sua forte influência sobre vários deputados.

Deputados avaliam que o presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), representante do chamado "centrão" (PP, PSD, PR, PSB, PSC), não terá a mesma habilidade para liderar negociações e conduzir a Casa à aprovação de projetos importantes para Temer. Uma das principais propostas cuja votação está ameaçada é a que trata do reajuste de até 41,47% dos servidores do Poder Judiciário da União, com impacto previsto de R$ 1,1 bilhão só neste ano.

No plenário, deputados de partidos aliados à presidente Dilma Rousseff, como PT, PC do B e PDT, defendem a aprovação do projeto, que foi negociado pela gestão da petista com o Judiciário. Parte da oposição, contudo, promete questionar o porcentual. Alega que não é o momento para um aumento dessa magnitude, por causa da crise fiscal do governo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.