27°
Máx
13°
Min

Senadores petistas cobram que Lira mantenha expressão 'relatório fraudulento'

Senadores petistas protestaram contra a decisão do presidente da Comissão Especial de Impeachment do Senado, Raimundo Lira (PMDB-PB), de retirar da notas taquigráficas as declarações de Fátima Bezerra (PT-RN), que classificou o parecer do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) favorável ao afastamento definitivo da presidente Dilma Rousseff de "fraudulento".

Inicialmente, o líder da oposição no Senado, Lindbergh Farias (PT-RJ), defendeu a manutenção da expressão usada pela colega de bancada ao justificar que essa é uma opinião que eles têm. "A opinião de cada senador é livre", afirmou Lindbergh, ao cobrar a inclusão das declarações de Fátima na ata, para ficar para a "história". Outros senadores do PT fizeram coro ao questionamento.

Raimundo Lira disse, inicialmente, que o documento de Anastasia não pode ser reconhecido "em hipótese nenhuma" como fraudulento. "Vossa Excelência não pode censurar a nossa opinião. É fraude, fraude e fraude", reclamou novamente Lindbergh.

O presidente da comissão disse que sempre tem mandado, quando percebe, retirar qualquer expressão de desrespeito. Depois, ele usou o regimento interno do Senado para afirmar que ele tem poder para retirar quaisquer expressões descorteses e de insulto dos debates das publicações oficiais da Casa.

A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) disse, logo em seguida, que só vai aceitar votar o parecer de Anastasia depois da leitura, na íntegra, dos debates.

O líder do PSDB no Senado, Cássio Cunha Lima (PB), afirmou que a iniciativa dos aliados de Dilma é mais uma "tentativa de procrastinação" dos trabalhos. "Tentam ganhar mais alguns minutos e segundos", criticou.