27°
Máx
13°
Min

Telmário Mota diz que vai recorrer do arquivamento de cassação de Jucá

O senador Telmário Mota (PDT-RR) vai recorrer da decisão do presidente do Conselho de Ética da Casa, João Alberto Souza (PMDB-MA), que decidiu arquivar o pedido de cassação do senador Romero Jucá (PMDB-RR). O arquivamento aconteceu no mesmo dia em que a Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu a prisão de Jucá por obstrução da Justiça, argumento que embasa o pedido de cassação.

"Acho que foi uma decisão autoritária, arbitrária e até ilegal, porque acho que ele devia ter submetido, pelo menos, à Comissão de Ética", disse Mota. O senador afirmou que, como prevê o regimento, ele já colheu cinco assinaturas de membros do Conselho para entrar com o recurso e o pedido deve ser protocolado ainda nessa quarta-feira, 8.

Para Mota, a decisão de João Alberto não foi técnica e, sim, parcial. Ele acredita que o arquivamento pode ter relação com o fato de João Alberto ser do PMDB, como Jucá, ou por ser muito próximo do ex-presidente José Sarney - que também foi flagrado em conversa com o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado.

"Talvez ele entenda que isso pode causar um efeito dominó, que depois de chegar no Jucá, a investigação possa alcançar outros", disse.

Delcídio

Jucá foi flagrado em um diálogo com o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado em que o senador fala que é preciso trocar o governo para estancar a "sangria" da Lava Jato.

A situação é semelhante ao caso do ex-senador Delcídio do Amaral (sem partido-MS), que foi preso e cassado acusado de tentar obstruir a Justiça após divulgação de uma conversa em que ele sugeria uma rota de fuga para o ex-diretor da área internacional da Petrobras Nestor Cerveró, preso no âmbito da Lava Jato.

"Entendo que as gravações de Jucá são muito mais fortes. Delcídio tentava obstruir a Justiça com um caso específico, Jucá fala de um pacto para parar a investigação. Não era um nome, ele queria parar a operação como um todo", argumenta Telmário.

Ao pedir a prisão de Jucá, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, também teria argumentado que o caso de Jucá é mais grave que o de Delcídio.