24°
Máx
17°
Min

Temer descarta Mariz na Justiça após críticas à Lava Jato

O advogado Antônio Claudio Mariz de Oliveira inviabilizou sua indicação ao posto de ministro da Justiça em um eventual governo de Michel Temer (PMDB). A avaliação é do entorno do vice-presidente, que confirma que Temer desistiu de convidá-lo para a pasta.

Temer não gostou, segundo assessores, das entrevistas em que Mariz retoma críticas à Operação Lava Jato, em especial ao instituto das delações premiadas. No ano passado, o advogado, que defende o vice-presidente no Supremo Tribunal Federal no âmbito da Lava Jato, já havia participado de um abaixo-assinado crítico aos métodos da operação. Por causa disso, a indicação de Mariz sempre esteve ameaçada.

Na terça, 26, o advogado deu entrevistas ao Estadão e aos jornais Folha de S.Paulo e Valor Econômico. Falando abertamente sobre o convite para assumir a pasta, Mariz exemplificou como trataria a Polícia Federal, órgão subordinado ao Ministério da Justiça. Disse, por exemplo, que o órgão precisaria ter outros focos além do combate à corrupção.

A avaliação é que as declarações de Mariz dadas aos jornais poderiam alimentar a versão de que Temer, assumindo a Presidência, procuraria esvaziar a Lava Jato.

Ao Estadão, Mariz disse na terça-feira que não havia sido convidado por Temer, mas afirmou que "poderia considerar o convite" e que "ser ministro da Justiça é uma honra". O advogado é amigo de longa data do peemedebista.