22°
Máx
14°
Min

Temer: É imprescindível restaurar equilíbrio das contas públicas

Em seu primeiro discurso após ter tomado posse como presidente em exercício da República, Michel Temer procurou mostrar-se comprometido com a recuperação da economia brasileira. "Nosso maior desafio é estancar queda da credibilidade econômica", afirmou o peemedebista. Segundo ele, é imprescindível restaurar as contas públicas e, quanto mais rápido isso for feito, mais rápido o crescimento será retomado.

"E a primeira medida, ainda que modestamente, está aqui representada. Já eliminamos vários ministérios da máquina pública", disse Temer, em referência à posse de seus ministros, que ocorreu pouco antes de seu discurso. Com a fusão de algumas pastas, o número de ministérios caiu de 31 para 24. "E não vamos parar por aí. Já estão encomendados estudos para eliminar cargos comissionados e funções gratificadas desnecessárias", disse.

Temer também declarou que pretende ampliar os reforços para reduzir a inflação. "Inflação alta atrapalha crescimento, desorganiza a atividade produtiva e turva o horizonte de planejamento dos agentes econômicos. E a classe trabalhadora e os segmentos menos protegidos são os que pagam a parte mais pesada", disse o presidente em exercício. "Para isso quero contar com os ministros, o Parlamento e o povo brasileiro", acrescentou.

Além disso, ele afirmou que o maior objetivo do seu governo será a redução do desemprego. "Tenho tido contato em todas as partes do País e com as famílias desempregadas e vemos o desespero destes brasileiros, que contam com um País que tem uma potencialidade extraordinária e não tem uma política econômica geradora de empregos", declarou Temer. Disse ainda que pretende prestigiar os produtores rurais, tanto os da agricultura familiar quanto os do agronegócio, e os micro, pequenos e médios empresários.

Um recado também foi dado aos operadores do mercado financeiro em relação ao trabalho do Banco Central (BC). "Quero tranquilizar os mercados: serão mantidas todas as garantias que a direção do BC hoje desfruta para fortalecer a atuação na política monetária e fiscal", afirmou o peemedebista.

Temer disse ainda que o mundo está de olho no Brasil. "Eles acompanham com grande interesse as mudanças em nosso País. Havendo condições adequadas, a resposta será rápida, com grande quantidade de recursos do mercado internacional", afirmou. Para isso, ele afirmou que é preciso dar eficiência aos gastos públicos, "coisa que não tem merecido maior preocupação do Estado". "Precisamos de uma democracia da eficiência", disse.