Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Teori decidirá sobre pedido de anular impeachment antes de votação no Senado

Interlocutores do ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), afirmaram que ele deve se manifestar sobre o pedido do governo para anular o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff no início da manhã desta quarta-feira, 11, antes de o Senado começar a votação sobre o caso no plenário.

A sessão que vai decidir se Dilma vai ou não ser afastada do cargo de presidente da República está marcada para às 9h. Teori deve passar a noite analisando e elaborando a sua decisão sobre o assunto.

No início da noite desta terça-feira, 10, um grupo de cerca de 50 manifestantes fez um ato em frente ao STF pedindo que o ministro acatasse a ação do governo. "Anula, Teori", gritavam.

O mandado de segurança impetrado no STF nesta terça tem como autor o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo. Na peça, ele argumenta que o então presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), praticou "desvio de poder" ao aceitar o pedido de abertura de impeachment contra Dilma em dezembro do ano passado.

A definição que Teori seria o relator da ação aconteceu por volta das 18h30, mais de três horas depois de a ação chegar à Corte, o que é considerado incomum. A demora, segundo a assessoria de imprensa, ocorreu porque havia dúvida se o ministro Gilmar Mendes deveria ser o relator por prevenção.

Em dezembro, Mendes foi designado para relatar uma ação do deputado Paulo Teixeira (PT-SP) de tema similar à da ação proposta nesta terça por Cardozo. Como Teixeira desistiu do caso e Gilmar autorizou a extinção do processo, ele perdeu a prevenção, e o caso foi distribuído por sorteio a Teori.

De perfil mais reservado, Teori não emitiu juízo de valor sobre o processo de impeachment. Em abril, porém, ele votou contra uma ação da AGU que pedia a nulidade de atos da comissão especial que analisou o caso e disse que esse tipo de recurso não poderia virar um "fetiche".

Na ocasião, não houve uma decisão monocrática do ministro, mas sim uma deliberação do plenário da Corte sobre o assunto, em uma sessão que varou a madrugada.