28°
Máx
17°
Min

'Todos os indícios de corrupção estão mais que evidentes', diz Marta sobre Cunha

Candidata do PMDB à Prefeitura de São Paulo, a senadora Marta Suplicy disse na manhã desta segunda-feira, 12, que é a favor da cassação do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RS). A cassação do peemedebista deve ser votada ainda nesta segunda no plenário da Câmara, em Brasília,

"Todos os indícios de corrupção estão mais que evidentes de que aconteceram. Ele foi investigado, tem condenação. Então, compete agora o Congresso levar adiante o que a população já sabe", disse ela durante uma agenda de campanha no bairro do Glicério, região central da cidade.

Questionada se não tinha receio de, pelo fato de ser do mesmo partido, ser vinculada a Cunha e ao presidente Michel Temer, Marta disse que tem uma história política sem acusações de malfeitos. "Tenho uma vida política de 30 anos sem nenhuma acusação. Tenho uma história e o povo de São Paulo conhece muito bem e vai votar pela história que eu tenho. Não tenho conexão com malfeitos", disse.

A senadora, que se licenciou do cargo no último dia 8, tergiversou quando questionada se apoia a proposta de reforma da Previdência que o governo Temer quer encaminhar ao Congresso. "O governo tem que apresentar uma proposta para a população poder discutir", disse. Sem responder se é a favor ou contra a reforma, Marta disse que o governo "tem que fazer o que tem que fazer para entregar um país em 2018 com condições de governabilidade que hoje não tem".

Marta visitou nesta segunda-feira a Comunidade Esportiva do Glicério, entidade que assiste cerca de mil crianças da região no horário alternativo ao da escola. "Projetos como este devem ser potencializados", afirmou.

A candidata disse que, se eleita, pretende incentivar a parceria da Prefeitura com centros de comunidade em locais onde não é possível a construção de CEUs.

A ex-prefeita de São Paulo, que promete a construção de 14 novos CEUs, disse que o foco, na educação, de um eventual governo seu seria o investimento na educação integral. Segundo Marta, há uma reclamação das mães de que as IMEIs trabalham com meio período. "O primeiro esforço será para fazer com que as crianças da IMEI possam ficar o tempo que ficam nas creches", disse.