27°
Máx
13°
Min

Vereadores decidem congelar os salários em Apucarana

Foto: Sílvia Vilarinho da Rede Massa - Vereadores decidem congelar os salários em Apucarana
Foto: Sílvia Vilarinho da Rede Massa

Em sessão extraordinária na Câmara Municipal de Apucarana (a 63 quilômetros de Maringá), os vereadores aprovaram na quarta-feira (20) o projeto de lei que congela o salário para a próxima legislatura, porém, ainda permite o reajuste da inflação.

Os parlamentares vão ganhar R$ 8,9 mil e o presidente da casa mais de R$ 13.350. O vencimento do prefeito ficou em R$ 22 mil e R$ 11 mil do vice e secretários. Uma emenda da Mesa Executiva foi aprovada por unanimidade e pegou a comunidade de surpresa.

Ela prevê que o legislador possa devolver parte do salário se achar que ganha muito. Segundo os parlamentares, a proposta tem o objetivo de acabar com a "demagogia" de quem fala que vereador deveria receber menos, pois dá a oportunidade de que ele ganhe efetivamente um valor abaixo do subsídio estabelecido por lei.

Um projeto de lei de iniciativa popular deve ser apresentado nos próximos dias e estabelece que cada parlamentar receba o mesmo que um professor da rede municipal, o equivalente a pouco mais de R$ 2 mil.

O presidente da Câmara, José Airton de Araújo (PR), disse que aguarda o protocolo da matéria.

“Eu vou receber, encaminhar para o nosso quadro jurídico e aí votar é cada vereador, não posso falar por eles”.

A forma de votação do 'congelamento' dos salários gerou questionamentos jurídicos. O Observatório Social de Apucarana, por exemplo, não aprovou a convocação das sessões extraordinárias.

“A Câmara está bastante desprestigiada junto à população. Eles perderam uma oportunidade de se valorizar”, relatou o presidente da entidade, Mauro de Oliveira.

Colaboração: Sílvia Vilarinho da Rede Massa