22°
Máx
17°
Min

Vice-líder faz referência a Meirelles no governo do PT

Após mais de três horas de audiência pública sobre a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do teto de gastos, o vice-líder do governo na Câmara, deputado Arthur Maia (PPS-BA), questionou as "circunstâncias" dos governos do PT, se são caracterizados por Henrique Meirelles, atual ministro da Fazenda, ou Nelson Barbosa, que comandou a pasta até o afastamento da presidente Dilma Rousseff. Maia alfinetou os petistas fazendo referência ao período em que Meirelles foi presidente do Banco Central, durante o governo Lula.

O parlamentar respondia ao deputado Patrus Ananias (PT-RS), que havia feito críticas ao governo. O petista lembrou aos presentes que o ministro interino do Planejamento, Dyogo Oliveira, é remanescente do governo Dilma - ele foi secretário-executivo dos ministros Nelson Barbosa e Guido Mantega. Meirelles e Dyogo riram da questão, mas não tiveram tempo de responder, pois a rodada era dos parlamentares.

Maia afirmou que diante da realidade, há poucas alternativas para a retomada da economia. "Temos de pensar a realidade a partir dos quadros atuais. Vossas excelências têm missão hercúlea pela frente", disse. "Os sinais do apocalipse já estão colocados na incapacidade dos Estados em pagar a própria folha, no déficit da Previdência."

O deputado Henrique Fontana (PT-RS) afirmou que o grande problema da economia brasileira será a "ilegitimidade" do governo do presidente em exercício Michel Temer, caso a votação do impeachment resulte no afastamento definitivo de Dilma Rousseff. "Será um governo fraco do ponto de vista de legitimidade social."

Fontana também criticou o "maniqueísmo" entre quem seria a favor e quem seria contra o ajuste fiscal. "O que temos aqui são visões diferentes de como buscar equilíbrio fiscal. Não ouço ministros falarem de iniciativas para aumentar receita pública", afirmou, citando impostos sobre grandes fortunas que poderiam ser criados.

O deputado Thiago Peixoto (PSD-GO) criticou o governo Dilma, dizendo que foram "desconsiderados matemáticas e fatos". "Houve abandono total da prudência fiscal do País", disse. Apesar de tecer elogios à iniciativa do governo em propor a PEC do teto de gastos, o parlamentar indagou qual é a alternativa que a equipe econômica traçou caso a proposta não seja aprovada pelo Congresso Nacional.