Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

RENDA FIXA: O que são Títulos Públicos Federais? Simples e direto

- RENDA FIXA: O que são Títulos Públicos Federais? Simples e direto

Muitos clientes na primeira reunião sobre investimentos e assessoria financeira se mostram confusos com algo tão simples quanto os Títulos Públicos Federais. São tão simples, mas tão simples, que os clientes acabam ficando confusos, pois não acreditam que seja tão fácil. “Não pode ser tão simples assim! E eu a vida toda na Poupança ganhando menos?”. 

A verdade é que o sistema bancário nunca fez questão que você entendesse sobre Títulos Públicos.

Sem mais delongas e fazendo jus ao título da matéria, Títulos Públicos Federais são simplesmente Títulos de Dívida. Quando você compra um Título Público Federal, você está emprestando dinheiro para o Brasil. “Ahhhh mas isso é uma metáfora, né?” NÃO! É exatamente isso! Você está emprestando dinheiro para o Brasil! Igual a emprestar dinheiro para um amigo, só que é para o Brasil. Ficando documentado o empréstimo, os juros e o prazo.

Títulos Públicos Federais são simplesmente Títulos de Dívida. Quando você compra um Título Público Federal, você está emprestando dinheiro para o Brasil.

Antigamente, o Título Público era um título em papel (igual a um diploma ou um selo gigante), muitas vezes Nominal (com o nome do credor, o dono do título) ou "Ao Portador", onde quem os possuísse era considerado o Dono do dinheiro - você já deve ter visto filmes e novelas onde eles eram motivo de roubo, intriga e chantagem (Alô noveleiros de plantão). No Título dizia o valor emprestado, a taxa que aquele valor seria remunerado e a data de vencimento do título – data normalmente longa na qual o valor emprestado somado aos juros deveriam ser devolvidos ao Credor (você). Quando chegava a data de vencimento do Título, o Tesouro Nacional recomprava o seu título, pagava o que te devia com os devidos juros, rasgava o título (de forma ilustrativa), e ia ao mercado perguntar se mais alguém queria emprestar dinheiro pra ele. Assim, emitia outro título para outro credor e a roda continuava. Hoje é quase a mesma coisa, só que tudo de forma eletrônica (muito mais segura). Ahh, o vencimento do título é apenas uma referência. Você pode revender ao Tesouro Nacional o seu título a qualquer momento (já no dia seguinte a sua compra, por exemplo). Ele garante a liquidez diária (a recompra é garantida). Assim sendo, um título de vencimento no ano 2055, não significa que você precise ficar com ele até lá. É apenas o LIMITE que o Tesouro Nacional tem para te devolver o dinheiro que você emprestou.

O Tesouro Nacional garante a liquidez diária. A data de vencimento do título é meramente uma referência. Você pode revender ao Tesouro um título que comprou ontem.

Vale mencionar que Títulos Públicos também podem ser Estaduais e Municipais, muito utilizados no início dos anos 1900s para a construção de muitas cidades, porém praticamente extintos nos dias de hoje.

Em relação à Rentabildiade dos Títulos, temos os 3 principais: Os Pré-Fixados (como o nome diz, é uma taxa fixa anual pré-definida), os pós-fixados (que acompanham o CDI / SELIC) e as queridinhas do momento, as NTNBs - Notas do Tesouro Nacional - que remuneram IPCA (Inflação) + uma taxa extra. O legal das NTNBs é que o investidor SEMPRE irá vencer a inflação, nosso maior vilão para as gerações anteriores ao Plano Real. Temos NTNBs que nesse momento remuneram cerca de IPCA + 5,5%. Com uma estimativa do IPCA para 2018 batendo em 4,8%, isso nos dá mais de 10% ao ano. 

Aproveitando o fio da meada - já que o assunto é título de dívida - os CDBs (Certificado de Dívida Bancária) são simplesmente Títulos de Dívida Bancária, no qual você está, literalmente, emprestando dinheiro para um Banco. A diferença é que esse é um Título de Dívida Privada e não Pública. Se você já teve na sua carteira de investimentos algum CDB, você já emprestou dinheiro para um banco.

QUIZ:

O que você acha mais seguro: emprestar dinheiro para o BRASIL ou para uma pessoa? Para o BRASIL ou para uma empresa? Para o BRASIL ou para um banco?

Bom, parece ser óbvio que ter o BRASIL como seu devedor é muito mais seguro. Afinal de contas, se o BRASIL quebrar e te der calote, muito provavelmente as pessoas, empresas e bancos já quebraram há algum tempo.

Opa! Então os CDBs deveriam pagar taxas maiores do que os Títulos Públicos, correto? Afinal de contas, emprestar para um Banco é mais arriscado do que emprestar para o BRASIL. E quanto mais risco, maior tem q ser o retorno. Claro né? Hein??? Então por que o Banco me oferece um CDB que paga 80%-85% do CDI? Enquanto ganhamos 100% do CDI emprestando ao BRASIL! Por que, Kazan? Bom, chegou o momento que você precisará controlar a grande veia da testa, segurar a pressão arterial e, para muitos, pegar um copo d’água com açúcar. Eu acho até que vou falar disso outro dia... será melhor! :-)  
Os Bancos agradecem! Aliás, os Bancos TE agradecem há quanto tempo?

Abraços e Bons Investimentos!


Tem dúvidas? Quer saber mais?

Preencha seus dados abaixo, em breve um de nossos assessores estrará em contato.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo