Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Pesquisa da Fecomércio PR e CNC alerta para aumento da inadimplência no Paraná

(Foto: Ilustração / Pixabay) - Pesquisa da Fecomércio PR e CNC alerta para aumento da inadimplência
(Foto: Ilustração / Pixabay)

Nove entre dez paranaenses possuem algum tipo de dívida. Atraso superior a 90 dias atinge 54% dos endividados (com contas em atraso), maior indicador desde janeiro de 2017

Síntese dos resultados (% em relação ao total de famílias)

Mês 

Paraná 

Nacional

Total de Endividados %

Com contas em atraso %

Sem condições de pagar %

Total de Endividados %

Com contas em atraso %

Sem condições de pagar %

Fevereiro de 2018

86,8%

29,0%

11,1%

61,2%

24,9%

9,7%

Janeiro de 2019

90,0%

27,8%

11,2%

60,1%

22,9%

9,1%

Fevereiro de 2019

90,8%

26,5%

11,4%

61,5%

23,1%

9,2%

Pesquisa da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR) e da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) mostra que 90,8% dos paranaenses estão endividados.

O percentual de fevereiro foi praticamente do mês de janeiro (90%), mas houve aumento com relação a fevereiro de 2018 (86,8%). O percentual elevado de consumidores endividados deve-se ao fato das festas características do fim do ano, que motivam gastos, e por consequência, elevam o endividamento. Material escolar, tributos e taxas com vencimento no início do ano também são fatores que pesam no bolso do consumidor.

Entre os endividados, 26,5% estão com contas atrasadas. Este aspecto teve melhora em relação a janeiro, quando 27,8% das famílias endividadas estavam com os débitos em atraso, bem como em relação a fevereiro do ano passado (29%). Os paranaenses que não terão condições de pagar ou quitar suas dívidas correspondem a 11,4%.

O indicador nacional de famílias endividadas foi de 61,5% e sofreu aumento comparado a janeiro (60,1%)e estabilizou diante fevereiro do ano anterior (61,2%). Contas em atraso somam 23,1% e falta de capacidade de pagamento, 9,2%.

As famílias com ganhos superiores a dez salários mínimos concentraram a maior parcela de endividados. O indicador chegou a 96,4% nesta faixa de rendimentos, ante 89,6% entre as famílias com renda até dez salários mínimos.

Em fevereiro, o índice de consumidores que podem ter seu cadastro de pessoa física (CPF) incluso no sistema de proteção de crédito, por causa de contas atrasadas há mais de 90 dias, aumentou quase 10% em relação ao mês anterior.

Dentre as famílias com contas atrasadas, em 54,1% dos casos esse atraso ultrapassa três meses, o que configura inadimplência. Em janeiro, os inadimplentes correspondiam a 49,3% dentre as famílias com contas em atraso. É o maior índice de inadimplência desde janeiro de 2017, quando 56,9% dos endividados com contas atrasadas estavam com restrições na praça.

Tipos de Dívida 

O cartão de crédito é o tipo de dívida mais comum entre os consumidores do Estado, sendo apontado por 72,5%. Os financiamentos de imóveis e automóveis aparecem em seguida, com 9,1% e 8,8% do endividamento das famílias, respectivamente.

Tipo de dívida

Total - %

Até 10sm - %

Mais de 10sm - %

Cartão de crédito

72,5%

72,6%

72,0%

Cheque especial

1,2%

1,5%

0,0%

Cheque pré-datado

0,2%

0,3%

0,0%

Crédito consignado

2,0%

2,2%

0,6%

Crédito pessoal

1,5%

1,5%

1,9%

Carnês

4,1%

5,0%

0,0%

Financiamento de carro

8,8%

7,9%

13,0%

Financiamento de casa

9,1%

7,8%

14,9%

Outras dívidas

1,5%

1,7%

0,6%

Não sabe

0,0%

0,0%

0,0%

Não respondeu

0,4%

0,5%

0,0%


Fonte: Fecomércio

Jornalista responsável: Karla Santin

Coordenadora de Pesquisas: Priscila M. Andrade

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo