Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Aluna da PM que foi expulsa por furtar em mercado será reincluída na corporação

(Foto: PMPR) - Aluna da PM que foi expulsa por furtar em mercado será reincluída
(Foto: PMPR)

A aluna soldado da Polícia Militar do Paraná, Sabrine Jacomozzi, expulsa da corporação após ser pega em flagrante furtando garrafas de vinho em um supermercado no bairro Santa Quitéria será reincluída na corporação.

O flagrante foi registrado no dia 7 de novembro de 2016. Ela foi detida por seguranças do supermercado que encontraram em sua bolsa garrafas de vinho. Na época ela foi encaminhada para a delegacia e afastada de suas funções.

Após toda a tramitação administrativa e no Judiciário, Sabrine foi expulsa da corporação pelo crime, porém, ela entrou com um recurso contra a expulsão.

No dia 30 de julho deste ano, no Diário Oficial do Poder Executivo Estadual, no despacho da Governadora do Estado foi publicado:

“1. CONHEÇO do Recurso Disciplinar interposto pela ex-militar estadual, SABRINE JACOMOZZI, por preencher os pressupostos de admissibilidade, e, no mérito, DOU-LHE PARCIAL PROVIMENTO, para o fim de rever a pena imposta, arvorando-me, para tanto, no princípio da proporcionalidade e razoabilidade administrativa, considerando, em apertada síntese, a natureza da infração, os antecedentes funcionais da acusada e, ainda, o conjunto probatório produzido nos autos, avaliado em cotejo com Relatório Final da Comissão de Apuração Disciplinar de Licenciamento n.º 038/2016, determinando, outrossim, à Senhora Comandante-Geral da PMPR, que efetive a imediata reinclusão da exmilitar, aplicando-lhe, em seguida, outra pena disciplinar que não a de exclusão das fileiras da Corporação. 2. Encaminhe-se à origem para as providências de praxe. Em 30/07/18. (Enc. proc. à SESP, em 30/07/18).

O caso revoltou várias policiais militares que procuraram nossa equipe de reportagem para denunciar o fato, alegando não tolerar esse tipo de profissional trabalhando na corporação.