Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Homem mata vizinho após briga em grupo de Whatsapp; motivo seria cuspe em janela

- Homem mata vizinho após briga em grupo de Whatsapp; motivo seria cuspe

Na noite desta quinta-feira (07) um homem foi morto a tiros, após discutir com vizinhos em um grupo do Whatsapp do condomínio. O caso foi registrado no Distrito Federal.

De acordo com a Polícia Civil, o homem disparou duas vezes contra Adilson Silva, de 36 anos, que morava no andar de cima. Adilson morreu na hora. O atirador foi identificado por José Costa e seria um policial reformado.

De acordo com informações, a discussão começou as 18h via celular. No grupo, o policial mandou uma foto que mostra uma mancha branca na janela do apartamento, e acusa o vizinho de ter cuspido pela janela. Após isso, Adilson envia uma sequência com escritas e áudios negando a autoria.

Veja a conversa aqui

(Reprodução)(Reprodução) 

Em seguida, Adilson mandou o seguinte áudio para o grupo:

"Meu irmão, você tá a afim de resolver sua porra, você venha pra cá e fale, tá bom? Não venha pra cá botar porra de grupo. Você não sabe o que tá falando, não. [...] Cheira essa desgraça aí e veja se é uma pasta de dente, rapaz! [...] Suba aqui pra gente conversar."

Após isso a discussão no grupo acabou. Alguns minutos depois vizinhos ouviram os tiros vindo do apartamento de Adilson. As informações são de que José foi até o apartamento de Adilson onde os dois começaram a discutir e entraram em luta corporal, até que o policial sacou a arma e atirou duas vezes contra Adilson.

Depois de ouvidos os tiros, uma vizinha mandou no grupo um áudio falando "Já acionei o 190 aqui para chamar a polícia. Mas foi um negócio, assim, violento, e eu vi na hora que ele disparou a arma".

A síndica do condomínio afirmou que as câmeras de segurança gravaram o momento em que José desce para a garagem após o crime, entra em seu carro e foge. As imagens serão entregues à Polícia Civil.

Até a manhã desta sexta-feira (08) o policial ainda não tinha se apresentado na delegacia. De acordo com o delegado que investiga o caso, José deve responder por homicídio qualificado por motivo fútil. Apesar de não ter registro de outros crimes, se condenado ele pode pegar até 30 anos de prisão.

A síndica relatou que que o condomínio foi inaugurado há um ano e meio e que as duas famílias moram no local desde então. Ainda disse que José já havia discutido com vizinhos.

Os apartamentos das duas famílias estão vazios.

Justiça nega pedido de prisão

Foi indeferido o pedido de prisão preventiva contra o policial José, que matou o vizinho à queima-roupa.

O pedido de prisão foi feito pela Polícia Civil devido à gravidade do caso. No entando, a Justiça entendeu que a demanda não era urgente. Ou seja, mesmo que José se apresente à delegacia, ele não será preso.

Um novo pedido de prisão será feito ainda hoje (08).