Cuidado! Sua barriguinha pode ter uma bomba relógio

Por Fabiano Tavares

Gordura não é tudo igual, duas pessoas podem ter a mesma quantidade de gordura corporal e ter riscos e aparência muito diferentes.

Vamos dar o exemplo de duas mulheres com o mesmo peso e com a mesma quantidade de gordura corporal, porém uma tem 90 cm de abdômen e 130 cm de quadril, enquanto a outra tem a gordura mais distribuída (pernas, braços, costas) e tem até um corpo mais harmônico, 110 de quadril para 103 de abdômen. Qual das duas tem maiores riscos de saúde? Pegando como parâmetro o que a ciência mostra, a que tem maior linha de abdômen tem maiores riscos em relação a sua saúde.

O que alguns chamam de barriguinha sexy, curva do poder, barriguinha de chope! É um detalhe que deveria ter mais atenção.

A gordura visceral tem ação endócrina e libera muitos agentes inflamatórios.

De forma direta e reta, o aumento da linha de cintura tem ligação com problemas cardíacos, inflamação de órgãos, aumenta o risco de diabetes e insensibilidade a insulina, aumenta risco de câncer de mama, AVC e mais um monte de coisa. Não quero aterrorizar ninguém não, tá? Mas acho que já deu para você entender.

Por isso que a OMS classifica obesidade como doença. Isso não significa que alguém é gordinho porque é doente e sim que é doente porque é gordinho.  Temos comprovado hoje em dia também de que, mesmo estando ainda com sobrepeso, quem tem mais massa magra é mais saudável mesmo sendo ainda fofinho. Então é lógico que não dá para classificar todos no mesmo pacote. Mas dá para afirmar o consenso de tudo que se tem comprovado.

Mas nada de se iludir dizendo que sua pochetinha é bonitinha, não. Porque desde os primeiros quilos extras e a partir de um aumento de 10 cm da circunferência na linha de cintura, já se inicia o aumento significativo dos riscos de várias doenças e complicações. 

Como eu sempre gosto de dizer para meus alunos, tudo é questão de bom senso e equilíbrio. Porque sempre surge alguém que vai dizer que tem sobrepeso ou conhece várias pessoas assim e que não são pessoas com doenças. Pois é, conheço pessoas que fumam há anos e não tem nenhum sintoma aparente, então vamos afirmar que o cigarro não é prejudicial?

Como eu disse no começo do texto, não é um único marcador que é levado em consideração. E a afirmativa não é de que se terá alguma doença, mas sim de que se aumentam as chances de várias complicações.

Te cuida!

Antes de iniciar qualquer tipo de atividade física ou treinamento, procure sempre um profissional de Educação física devidamente credenciado.

Sobre o autor

Fabiano Tavares (@ofabianotavares) é bacharel em Educação Física e pós-graduado em Psicologia. Gestor de pessoas há mais de 12 anos, é praticante e entusiasta da musculação para todos os tipos de pessoas.