Coritiba… Altos bem altos e baixos terrivelmente baixos

Por Mauro Mueller

O Coritiba entrou na zona maldita que leva para o Couto velhos fantasmas: a zona de rebaixamento. No ataque o time não é bom, porque tem 25 gols em 23 jogos e é o 9° melhor ataque da Série A. Ótimo!

Se este desempenho na defesa estivesse no mesmo parâmetro, o Coritiba hoje estaria na zona de Sul americana, o que não seria nada mal.

Mas quando o assunto é defesa, o time vai muito mal. É a pior defesa da Série A, com 39 gols tomados. É o fundo do poço, levando em conta que o goleiro titular ainda é um grande problema e a zaga é formada pelos jogadores mais expulsos do Brasileiro.

Gabriel Vasconcelos veio da Itália para resolver os problemas da posição, se machucou logo que desfez as malas e não tem previsão de estreia. Muralha dá insegurança, porque teve momentos infelizes nesta temporada, apesar dos seus últimos bons jogos. Rafael Willian parece não estar totalmente pronto para ser o titular e não é pela idade de 21 anos. Quem viu o jogo contra o Fluminense teve a real percepção de que ele precisa pegar mais experiência para entrar em campo num Maracanã lotado.

Este é o cenário que o novo técnico, Guto Ferreira, encontra para comandar o elenco rumo à recuperação de um clube que ia muito bem, até se deparar com a realidade competitiva em alto nível de uma Série A. Muitos altos e muitos baixos a nivelar, para se manter na elite e tentar beliscar algo maior.

Sobre o autor

Filho de radialista, Mauro Mueller (@mauromueller) começou sua carreira no rádio, aos 14 anos e já trabalhou nas principais emissoras de Curitiba e São Paulo. É músico, compositor, poeta, cronista e contista. Também é palhaço e ator. A sua relação com o jornalismo esportivo começou em 2001, quando coordenava a Rádio Transamérica de Curitiba e implantou um projeto inovador para o rádio esportivo. Está no Show de Bola desde sua estreia, em 2010.