Furacão tá on…

Por Mauro Mueller

Ouvi nas ‘redes antissociais’ muitos torcedores revoltados com a eliminação do Athletico na Copa do Brasil. Acho até legítimo querer mais, cobrar, acreditar que dava para passar pelo Flamengo. Mas muitos culparam o técnico.

Desculpe a sinceridade: culpar o Felipão é desconhecer ou esquecer o que era este mesmo time antes de começar o Campeonato Brasileiro.

Scolari assumiu o clube na partida da volta contra o Tocantinópolis, depois de uma goleada por 5×0 que o rubro-negro sofreu para o The Strongest na Libertadores. Fábio Carille comandou 21 jogos, assumindo a vaga de Alberto Valentim, que perdeu o emprego na abertura do Campeonato Brasileiro, por conta de outra goleada sofrida, esta pelo São Paulo por 4×0. O time quase não passa da fase de grupos na Libertadores, foi eliminado pelo rival nas semifinais do Paranaense e talvez não chegasse até a fase que chegou na Copa do Brasil.

Se analisarmos o desempenho do Athletico desde o início da temporada, o torcedor já tem muito o que comemorar. Você sabe quanto custou o Flamengo? Você sabe a folha salarial do time reserva do Flamengo? Como disse Felipão na coletiva depois da partida: “não é um time comum”. O Athletico tem chances de passar pelo Palmeiras na Libertadores, justamente porque teve esta experiência contra o Flamengo, criando a casca necessária para enfrentar outro time que não é nada comum.

Sobre o autor

Filho de radialista, Mauro Mueller começou sua carreira no rádio, aos 14 anos e já trabalhou nas principais emissoras de Curitiba e São Paulo. É músico, compositor, poeta, cronista e contista. Também é palhaço e ator. A sua relação com o jornalismo esportivo começou em 2001, quando coordenava a Rádio Transamérica de Curitiba e implantou um projeto inovador para o rádio esportivo. Está no Show de Bola desde sua estreia, em 2010.