Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Artistas jovens marcam presença nos corredores da SP-Arte

Se a SP-Arte está recheada de obras de nomes consagrados, conhecidos no mundo todo, como Pablo Picasso e Di Cavalcanti, e de fundadores da arte contemporânea brasileira, como Lygia Pape e Rubem Valentim, a feira - que chega ao fim neste domingo, 7 -, também coloca em evidência o trabalho de artistas jovens. É o caso do mineiro Randolpho Lamonier (1988) e dos paulistas Andrey Rossi (1987), Vivan Caccuri (1986) e Sandra Mazzini (1990).

Rossi, doutorando em artes visuais pela Unicamp, em cuja pesquisa vislumbra o próprio processo artístico, expõe seus trabalhos de pintura com a OMA Galeria - ela própria dedicada a trabalhar com artistas jovens de trabalhos consistentes e carreiras em desenvolvimento.

Nesta SP-Arte, ele expõe a série Carga Viva, quatro pinturas a óleo sob telas em branco, deslocando o trabalho anterior, feito em lonas de caminhão. Em duas delas, o branco ocupa a maior parte da tela de 1,75m de altura: em Acúmulo (2019), um grupo de cabeças humanas extravasa de um saco no chão, representando uma aproximação com a terra, destino final de todos. Em outras duas telas, uma caixa estreita abriga, cada uma, um homem lá dentro.

"Queria trazer um pouco de respiro para a minha pintura e o branco dá essa noção de espaço e vazio, porque quero falar das cargas que o ser humano carrega. Viver é pesado, e vivemos num momento de exclusão, de encaixotamento. Estamos numa caixa agora, o celular é outra caixa, o carro. Trabalho o vazio para trazer essa dicotomia entre o espaço e o indivíduo", explicou ele, na feira.

Nascido em Porto Ferreira, no interior de São Paulo, mudou-se para São Bernardo do Campo, onde mantém o ateliê e o trabalho com a OMA. Em casa, cresceu num ambiente onde o pai era marceneiro e a mãe, pintora de cerâmicas. O contato com os instrumentos o inclinou para a arte, e com apoio dos pais, foi estudar artes visuais na Unesp e depois seguiu para a pós-graduação na Unicamp, onde frequenta o doutorado.

Transportar o próprio trabalho artístico para a pesquisa acadêmica é uma questão. "O programa tenta explorar exatamente como fazer uma pesquisa científica sobre o seu trabalho. Acabo me debruçando mais sobre como se constrói o meu processo do que sobre a questão conceitual da obra. As duas estão vinculadas, claro, mas é isso. Sempre me dizem que meu trabalho é pesado, carrega muita coisa. Mas é porque ele me cansa muito: sou detalhista, me exige muito tempo", conta. O amparo intelectual vem de textos como Teorias da Arte Moderna, Mal de Arquivo, de Jacques Derrida, e Teoria do Romance, de Bakhtin.

O artista segue agora para uma residência em Luben, na Alemanha, conectada à Documenta de Kassel.

Também presente na feira, o mineiro Randolpho Lamonier veio apresentar trabalhos recentes que variam entre vídeo, texto e peças com trabalhos têxteis. Com fortes mensagens políticas (a série que deu origem aos outros trabalhos chama-se Profecias, com previsões sobre o futuro do Brasil), as obras, segundo o autor, partem de um lugar do desejo para abrir espaço de respiração no momento atual.

Uma das peças prevê: "Em 2040, legalizamos o amor e outras drogas menos intensas". Na feira, ele comentou: "Quis pensar possibilidades do futuro com elementos que tocam no presente".

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo