Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Ballet de Londrina faz ‘vaquinha’ na internet para viabilizar espetáculo

Ballet de Londrina faz ‘vaquinha’ na internet para viabilizar espetáculo Ballet de Londrina faz ‘vaquinha’ na internet para viabilizar espetáculo


 O Ballet de Londrina está remontando o espetáculo “Decalque”, considerado o maior sucesso do repertório de 23 anos de criação da companhia. Para tornar o desejo realidade, são necessários R$ 30 mil para o custeio de figurinos, cenário, joelheira para bailarinos e outros custos de produção.

 A companhia pretende arrecadar o montante com uma vaquinha na internet. A campanha começou na terça-feira (1º) e vai até 30 de junho no site Vakinha

Quem quiser contribuir, pode doar usando cartão de crédito ou por meio de boleto bancário.

"Decalque" é decorrência de um processo de pesquisa iniciado pelo Ballet de Londrina em 2006, com o espetáculo "Fale Baixo", cuja proposta principal é trabalhar novos e diferentes eixos de equilíbrio e apoios para locomoção. Na exploração desse processo, foi na música "Romeu e Julieta", de Prokofiev, que se identificou a energia do movimento investigado no atual momento. Desta forma, a opção por montar este clássico de Shakespeare não partiu da idéia de contar a tão conhecida história dos dois amantes de Verona, mas usá-la como substrato para a construção da dança. O motivo principal da criação não foi o tema, mas o movimento.


 O processo foi um desafio para o elenco que, tendo corpos solidamente formados na vertical, através de anos de estudo de ballet clássico, teve que construir novos apoios e eixos, fazendo de suas limitações fonte de descoberta de movimentos singulares e até dotados de algum ineditismo. O espetáculo apresenta um roteiro de movimentos que conduz os personagens/bailarinos a transitarem em um plano onde o físico é exigido ao extremo, criando assim o ambiente da obra. Em "Decalque", mais que a narrativa, o que se explora, são os aspectos universais vividos pelos personagens como a questão do destino, da solidão, da paixão, da proibição, da morte. O público, por vezes, encontrará referências claras ao enredo, mas isso logo é esquecido, ficando aquilo que foi o motivo da criação: o movimento.