Exposição inédita na Gibiteca mostra o autismo visto por artistas autistas

O tema autismo está presente em 27 obras de arte, entre pinturas, fotografias, ilustrações, objetos, instalações, música e poesia, expostas a partir de sexta-feira (1º/7) na Gibiteca de Curitiba. A programação integra o Inverno Curitiba e pode ser visitada até setembro próximo.

Todos os trabalhos foram produzidos por artistas com Transtorno do Espectro Autista (TEA), procedentes de vários estados do Brasil. Nas obras, eles apresentam suas visões representativas do que é o autismo.

Na abertura, às 19h, haverá um bate-papo sobre A expressão do autismo através da arte, mediado por Fernanda Santana, secretária-geral da Associação Brasileira para Ação por Direitos da Pessoa Autista (Abraça).

O bate-papo terá a participação de Celina Pacheco, designer e ilustradora; Vanderlei Silveira, artista e professor; Polyana Sá, cantora; Fernanda Primo, do Departamento dos Direitos da Pessoa com Deficiência da Prefeitura de Curitiba; e Fúlvio Pacheco, quadrinista, coordenador da Gibiteca e coordenador da Abraça-PR.

A exposição A(u)rtistas

O autismo por artistas autistas e o debate foram organizados pelo núcleo paranaense da Abraça em parceria com a Fundação Cultural de Curitiba, Secretaria Municipal de Comunicação Social e Departamento dos Direitos da Pessoa com Deficiência da Prefeitura de Curitiba. O debate será transmitido pelo perfil da Abraça no Youtube 

Esta é a primeira exposição em Curitiba a reunir trabalhos de artistas autistas tendo o próprio autismo com tema. De acordo com Fulvio Pacheco, coordenador da Gibiteca de Curitiba, o diferencial desta mostra é justamente possibilitar que o tema seja apresentado e debatido por pessoas que estão no espectro. “Todas as obras são de pessoas autistas que expressam seus pontos de vista sobre o autismo”, explica Fúlvio.

“Apresentamos um conjunto de obras que abordam, a partir de diferentes mídias, contextos brasileiros e pontos de vista, múltiplos aspectos da condição de ser autista. Sentimentos, situações e percepções internas e externas compõem esse pequeno retrato daquilo que nos faz diferentes”, diz Fernanda Santana, dirigente da Abraça.

A exposição conta com participantes do Paraná, de São Paulo, Minas Gerais, do Distrito Federal, de Sergipe, Santa Catarina e do Rio Grande do Sul.

Informações da PMC.