Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

'Bacurau' representa o Brasil no Festival de Cannes

(Foto: Divulgação) - 'Bacurau' representa o Brasil no Festival de Cannes
(Foto: Divulgação)

Muita coisa já se sabia da 72ª edição do Festival de Cannes, de 14 a 25 de maio. O cartaz, com uma cena de bastidores da rodagem de La Pointe Courte, homenageia a cineasta Agnès Varda, que morreu em março. O presidente do júri será o mexicano Alejandro González Inãrritu, o filme de abertura, The Dead Dont Die, de Jim Jarmusch, e Alain Delon, ator de grandes filmes de Luchino Visconti, Jean-Pierre Melville, Joseph Losey e René Clément, receberá uma Palma de Ouro honorária, por sua extraordinária carreira. Tudo isso já era público, mas, na manhã desta quinta, 18, numa coletiva em Paris, o delegado-geral Thierry Frémaux e o presidente do evento, Pierre Lescure, anunciaram a cereja do bolo - a seleção oficial.

Os filmes que vão disputar a Palma de Ouro de 2019. O Brasil está de volta à competição. Três anos depois de Aquarius, Kleber Mendonça Filho e Sonia Braga vão de novo pisar no tapete vermelho do mais 'midiatizado' festival de cinema do mundo para mostrar Bacurau. O filme é uma aventura desenrolada no Brasil "daqui a alguns anos". Kleber codirige com Juliano Dornelles. Com Aquarius, e o protesto que o diretor e sua equipe fizeram na escadaria do palais, em pleno impeachment da presidente Dilma Rousseff, a resposta, no Brasil, foi uma reação de amor e ódio. Na entrevista publicada nesta página, Kleber diz que não se arrepende (leia abaixo). E, de qualquer maneira, o regresso a Cannes, e à competição, está garantido. Tudo promete que vai ser um bom ano para o Brasil em Cannes. Dois filmes na seleção oficial - um em concurso, Bacurau, e outro na Mostra Un Certain Regard - A Vida Invisível de Eurídice Gusmão, de Karim Aïnouz, produzido por Rodrigo Teixeira.

Para o produtor, estrear o filme de Karim em Cannes é uma alegria indescritível. "Um filme que fala sobre amor, sobre amizade e sobre questões tão importantes para o Brasil de agora, colocando no centro de tudo a condição da mulher através de duas protagonistas interpretadas por atrizes brilhantes, é sem dúvida uma grande realização."

Port Authority, outra produção (internacional) da RT, também estará em Um Certo Olhar. Por falar em produção, não é só Rodrigo Teixeira que tem motivos para festejar. A Gullane Filmes, dos irmãos Caio e Fabiano, coproduz O Traidor, de Marco Bellocchio, sobre o mafioso Tommaso Buscetta, parcialmente filmado em São Paulo. Será uma boa propaganda para a Spcine e a São Paulo Film Commission, que tentam transformar a cidade num cenário atraente - e vantajoso - para investidores internacionais.

Todo ano, o anúncio da seleção oficial de Cannes provoca reações apaixonadas. Mais do mesmo!, gritam os desafetos do curador Frémaux. Sem dúvida que Pierre Lescure e ele possuem seus favoritos, mas é sempre a linha de defesa do delegado-geral. Ele diz que gosta de equilibrar tradição e modernidade, e de qualquer maneira, para satisfazer aos mais radicais, existe a mostra complementar da seleção oficial, Un Certain Regard. Nela, além de Karim Aïnouz, estará, por exemplo, o francês Bruno Dumont, que prossegue contando a saga de Joana DArc. Depois de Jeanette, Joana - as batalhas, e com a mesma atriz, a garota Lise Leplat Prudhomme.

Na competição deste ano, encontram-se nomes de sempre. Pedro Almodóvar, com Dor e Glória; Xavier Dolan, Matthias & Maxime; os Irmãos Dardenne, O Jovem Ahmed; Ken Loach, Sorry We Missed You; Arnaud Desplechin, Roubaix Une Lumière. Quem também está de volta, além de Kleber Mendonça e do sul-coreano Bong Joon-ho, com Parasita, é o palestino Elia Suleiman, com It Must Be Heaven.

Os novos são Diao Yinan, com Nan Fang Che Zhan De Ju Hui; Mati Diop, Atlânticos; Ladj Ly, Os Miseráveis; Jessica Hausner, Little Joe; e Justine Triet, Sibyl. Alguns autores já circularam por outras sessões - Ira Sachs, de Frankie; e Céline Sciamma, Portrait de la Jeune Fille en Feu. E ainda haverá o novo Terrence Malick. Um filme autobiográfico? Sua próxima participação em Cannes será com A Hidden Life, Uma Vida Escondida.

Indicados

Competição principal:

Pain and Glory

(Pedro Almodóvar)

The Traitor

(Marco Bellocchio)

The Wild Goose Lake

(Diao Yinan)

Parasite (Bong Joon-ho)

Young Ahmed (Jean-Pierre Dardenne & Luc Dardenne)

Oh Mercy!

(Arnaud Desplechin)

Fire Next Time (Mati Diop)

Matthias and Maxime

(Xavier Dolan)

Little Joe (Jessica Hausner)

The Dead Dont Die

(Jim Jarmusch)

Sorry We Missed You

(Ken Loach)

Les misérables (Ladj Ly)

A Hidden Life

(Terrence Malick)

Bacurau (Kleber Mendonça Filho & Juliano Dornelles)

The Whistlers

(Corneliu Porumboiu)

Frankie (Ira Sachs)

Portrait of a Lady on Fire (Céline Sciamma)

It Must Be Heaven

(Elia Suleiman)

Sibyl (Justine Triet)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo