Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

'Djon África' mostra a busca do pai e das raízes

(Foto: Reprodução) - 'Djon África' mostra a busca do pai e das raízes
(Foto: Reprodução)

Miguel é um rapaz meio perdidão, sem grandes objetivos. Seu cotidiano é visto no prólogo de Djon África, de Filipa Reis e João Miller Guerra. Miguel fala com as garotas, deambula, tenta furtar roupas em uma loja. É um estroina, vive com a avó, não conhece os pais. Um dia, a avó lhe diz que, quando criança, ele foi conhecer o pai na prisão, mas os guardas não o deixaram entrar. Logo em seguida, o homem foi expulso de Portugal e repatriado a Cabo Verde.

Miguel adulto, agora com 25 anos, resolve ir em busca do pai e embarca para Cabo Verde. Nesse momento, Djon África toma seu rumo e sua embocadura. Trata-se, para o personagem, de encontrar o pai, referência biológica, mas também simbólica do centro a partir do qual se adquire identidade até então faltante. É também "reencontro" com o país que jamais conheceu, e onde estão fincadas suas raízes. O filme é divertido sem ser leviano; profundo na medida certa, sem se perder em teorias ou teses prontas. Não faz proselitismo nem discursos moralizantes. Já é muito.

Djon África / Death Wish

(Brasil, Port., Cabo Verde/2018, 98 min.)Dir. Filipa Reis, João Miller Guerra. Com Miguel Moreira

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo