Festival itinerante evidencia o cinema de horror produzido no país

Entre 2 de setembro e 30 de outubro, o 1º Boitatá – Festival Paranaense Itinerante de Cinema de Horror percorre quatro cidades do interior e litoral do Paraná: Marechal Cândido Rondon, Rolândia, União da Vitória e Matinhos. Seu caráter itinerante busca promover o acesso democrático à cultura, levando o cinema de horror nacional para as telas. A entrada é gratuita. O festival conta com o incentivo do Programa Estadual de Incentivo e Fomento à Cultura.

O evento terá a duração de três dias em cada cidade e contará com mostras de longas, curtas-metragens e curtas universitários. Todas as mostras de cinema apresentam produções realizadas no Brasil e não terão caráter competitivo. Além disso, o evento promoverá oficinas, palestras e mesas redondas com palestrantes convidados. A programação completa pode ser conferida no site do festival.

A programação inclui uma sessão especial com o longa “A Macabra Biblioteca do Dr. Lucchetti”, do diretor Paulo Biscaia e a Mostra Clássico do Cinema exibirá o filme “A Hora do Medo”, dirigido por Francisco Cavalcanti e José Mojica Marins, o Zé do Caixão.

O festival ainda fará uma homenagem à atriz Débora Muniz, por sua contribuição ao cinema de horror nacional das décadas de 1970 e 80. Uma das suas atuações de maior destaque foi no curta “Amor só de mãe”, do diretor Denninson Ramalho, que será exibido em uma sessão especial em Rolândia, no dia 9 de setembro. Após a exibição, acontece um bate-papo com a atriz, mediado pelo cineasta Paulo Biscaia.

A mostra de longa-metragens ainda inclui os filmes “Às Escuras”, de João Gabriel Gragnan e Paula Witchert, “Cidade dos Abismos”, de Priscyla Bettim e Renato Coelho, “Descaminhos”, de Armando Fonseca e “Os Dragões”, de Gustavo Spolidoro. Serão exibidos também 24 curtas-metragens selecionados pelos curadores do festival. A programação continua com os curtas-metragens universitários, quando serão exibidos 17 filmes produzidos por estudantes do ensino superior.

A programação do primeiro Boitatá coloca em evidência o cinema de horror realizado no Brasil. Para isso, a seleção dos longas contou com a curadoria de duas referências do gênero, os cineastas Paulo Biscaia (Virgens Acorrentadas, Nervo Craniano Zero, Morgue Story) e Petter Baiestorf (Fábulas Negras, Zombio, Zombio 2: Chumarrio Zombies).

Já a mostra de curtas teve a curadoria do acadêmico e escritor do gênero, Nelson Rocha Netto e do professor universitário, jornalista e crítico de cinema Rodolfo Stancki. A equipe do festival inclui ainda o diretor pedagógico Demian Garcia (curador do Fidé Brasil) e o diretor artístico Carlos Macagi, que se unem para enriquecer, diversificar e difundir o gênero de horror nacional.

Oficinas

Cada cidade que está no roteiro do festival irá receber uma oficina diferente, todas com participação gratuita. A primeira parada, Marechal Cândido Rondon, terá a oficina “Nem tudo é medo: Uma visão crítica do horror”, ministrada por Marcelo Miranda. Em Rolândia, acontece a oficina “Construindo uma cena de efeitos especiais no cinema”, com Kapel Furman.

Na sequência, União da Vitória recebe a “Oficina iniciante de maquiagem de feitos especiais”, ministrada por Ales de Lara. Por fim, Carlos Primati oferece outra oficina em Matinhos. As inscrições podem ser feitas pelo site.

Serviço:

1º Boitatá – Festival Paranaense Itinerante de Cinema de Horror.

De 2 de setembro a 30 de outubro

Entrada gratuita

Abertura das sessões 15 minutos antes (entrada por ordem de chegada)

Para participar das oficinas, também gratuitas, é preciso preencher um formulário, disponível no site do evento.

Marechal Cândido Rondon

De 2 a 4 de setembro

Parque de Exposições (Salão Alemão)

Rua Ceará, 654 – Centro. CEP 85960-000.

Rolândia

De 9 a 11 de setembro

Centro Cultural Nanuk

Rua Duque de Caxias, 1679, Centro

União da Vitória

De 27 a 29 de setembro

Universidade Estadual do Paraná – UNESPAR – Campus de União da Vitória (Auditório)

Praça Coronel Amazonas – Centro

Matinhos

De 28 a 30 de outubro

Local: A confirmar