Espaço de manifestação artística e popular, Concha Acústica completa 64 anos

No sábado (1), a Concha Acústica de Londrina completou 64 anos. O espaço é considerado um dos símbolos da cidade, conhecido pelo palco para apresentações e eventos culturais, ações sociais e encontros da comunidade. Localizada na Praça 1° de Maio, no cruzamento das ruas Piauí e Senador Souza Naves, a Concha é também um retrato da arquitetura moderna dos anos 1950.

Construída durante a gestão do prefeito Antonio Fernandes Sobrinho, a Concha Acústica de Londrina foi inspirada em uma visita do então prefeito a um município no Espírito do Santo, onde havia um coreto público de estrutura similar. O projeto foi elaborado por Henrique Mindlim e executado por José Augusto Queiroz, com inauguração em 1° de maio de 1957. 

Para o secretário municipal de Cultura, Bernardo Pellegrini, a Concha Acústica é, provavelmente, o primeiro centro cultural de Londrina. “No início da década de 50, era naquela área que a população se reunia em concurso de canto, instalação de parques e como ponto rodoviário. Então quando a Concha foi construída e inaugurada, em 1957, já havia essa tradição de ocupação”, contou.

Dentre as lembranças em destaque da Concha Acústica, o secretário municipal de Cultura indicou a performance da Orquestra de Metais da Marinha Americana e a Feira das Nações, na década de 1960. “Desde então, o londrinense viu a Concha ser palco de grandes eventos, discursos políticos, espetáculos e shows. Ela está gravada no coração de Londrina”, frisou.

Os grandes festivais da cidade, de música, dança e teatro, fizeram ali muitas performances memoráveis ao longo das décadas seguintes. Nos anos 2000, havia a tradicional “Sexta na Concha”. E na década seguinte, as batalhas de rima reuniam jovens e adolescentes com a poesia característica do rap e hip hop.

Por conta da pandemia do coronavírus, o uso do espaço foi restringido para que não ocorram aglomerações.

Informações da Prefeitura de Londrina