Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Barbra Streisand se desculpa por comentários sobre acusadores de Michael Jackson

Barbra Streisand se desculpou neste Sábado (23) por seus comentários sobre Michael Jackson e dois homens que o acusaram de abuso sexual. A cantora afirmou que deveria ter escolhido suas palavras com mais cuidado e que admira os acusadores por "falar a verdade deles".

Streisand recebeu críticas amargas online depois que ela foi citada no The Times of London dizendo que os acusadores de Jackson estavam "emocionados por estar lá" durante o suposto abuso, que "não os matou".

Depois de uma declaração inicial no sábado para a Associated Press em que ela procurou esclarecer seus comentários, a estrela da música, palco e tela publicou um pedido de desculpas online.

"Sinto muito por qualquer dor ou mal-entendido que causei ao não escolher minhas palavras com mais cuidado sobre Michael Jackson e suas vítimas", escreveu ela.

"Eu não pretendia ignorar o trauma que esses garotos tiveram de alguma forma. Como todos os sobreviventes de agressão sexual, eles terão que carregar isso pelo resto de suas vidas. Sinto um profundo remorso e espero que James e Wade saibam que eu realmente os respeito e os admiro por falarem a verdade deles."

O pedido de desculpas foi muito além da declaração anterior à AP, na qual ela esclareceu seus comentários publicados, dizendo que sentia "nada além de simpatia" pelos homens, Wade Robson e James Safechuck, que acusam o falecido astro de molestá-los quando crianças.

Ela escreveu na declaração anterior: "Para ser cristalina, não há nenhuma situação ou circunstância em que seja aceitável que a inocência das crianças seja aproveitada por qualquer pessoa".

As declarações que foram criticadas são de uma entrevista ampla ao The Times. Questionada sobre Jackson, Streisand disse que ela "absolutamente" acreditou em Robson e Safechuck, que fazem suas alegações no recente documentário da HBO Leaving Neverland.

Os representantes de Michael condenaram o documentário da HBO. Jackson, que morreu em 2009, foi considerado inocente em 2005 da acusação de molestar um menino de 13 anos.

Streisand foi questionada sobre o documentário, que ela chamou de "muito doloroso". Ela então disse que Jackson, quando ela o conheceu, era "muito doce, muito infantil". Perguntada sobre como conciliou aquele homem com o retratado no documentário, ela respondeu: "Suas necessidades sexuais eram suas necessidades sexuais, vindas de qualquer infância ou DNA que ele teve. Você pode dizer "molestado", mas essas crianças, como você ouviu dizer, ficaram emocionadas por estar lá. Eles se casaram e ambos têm filhos, então não os matou."

Entre os que responderam às mídias sociais estava o diretor de Leaving Neverland, Dan Reed, que escreveu sobre a última citação: "Você realmente disse isso?"

Perguntada pelo The Times se ela estava com raiva de Jackson, Streisand disse: "É uma combinação de sentimentos. Eu me sinto mal pelas crianças. Sinto-me mal por ele. Eu culpo, eu acho, os pais que permitiram que seus filhos durmissem com ele."

Também atraindo atenção no sábado para as observações sobre Jackson, estava sua amiga e mentora Diana Ross.

"É isso que está no meu coração esta manhã", escreveu Ross no Twitter. "Acredito e confio que Michael Jackson foi e é uma força magnífica e incrível para mim e para muitos outros."

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo