Neste sábado, Roberto Nicolato recebe o escritor Luiz Ruffato para falar sobre o livro Pacto

Neste sábado (24), a partir das 17 horas, o escritor e autor do livro Pacto, Roberto Nicolota irá receber o consagrado escritor mineiro, Luiz Ruffato. Pelo canal no YouTube Nicolato Roberto, os dois escritores irão conversar sobre o livro e encerrar o Ciclo de Eventos Online de Lançamento de “Pacto”, iniciado em 28 de março. 

“Um grande livro de um grande autor!” É assim que Luiz Ruffato, um dos mais respeitados nomes da literatura brasileira contemporânea, define “Pacto” no Prefácio que assina da obra. Este é o quarto livro e terceiro romance de ficção do jornalista e escritor Roberto Nicolato.

Amplo domínio de técnicas narrativas, investigação formal, primorosa recriação de ambiente e de linguagem, rápidas e eficazes mudanças de foco narrativo, construção de personagens fascinantes e empáticos são características da escritura de Roberto Nicolato que Luiz Ruffato ressalta em seu texto de apresentação na obra, em uma história que combina com primor história, no período da Ditadura Militar, e o Brasil contemporâneo com reflexões profundas e, ao mesmo tempo, fluidas sobre sociedade, ideologias, a luta das mulheres em meio a uma sociedade predominantemente machista, independência, amizade e relações humanas. 

“Trata-se de um ajuste de contas com o passado, não só dos personagens principais – Júlio, Anna e Gabriel –, mas da história do Brasil, algo que, aliás, só as grandes narrativas conseguem, essa ultrapassagem do individual para o coletivo”, escreve Luiz Ruffato sobre “Pacto”. 

“Pacto” é um projeto realizado com recursos do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura da Fundação Cultural de Curitiba (FCC), da Prefeitura Municipal de Curitiba, e do Ministério do Turismo (MTur), com o apoio da Lei Aldir Blanc. Traz um belo trabalho gráfico, com ilustrações assinadas por Robson Vilalba e projeto gráfico do Estúdio Thapcom, além do Prefácio por Luiz Ruffato. 

Essa é a primeira obra do escritor publicada exclusivamente em eBook, que pode ser baixado gratuitamente pelo linktree do escritor.

“Pacto é um livro que comecei a escrever em 1996. Trabalhei nele por 25 anos. Ele fala de juventude, história, liberdade, mas principalmente de independência, que é um tema muito importante para mim”, assinala Roberto Nicolato. A respeito do bem comentado e surpreendente final de “Pacto”, o escritor revela: “Ele não existia em suas primeiras versões, mas, ao trabalhar na obra para sua finalização, percebi que era um caminho natural que chegasse a este fim, que alguns consideram triste, mas é como tinha de ser. A literatura não é sobre finais felizes, isso é para as novelas”.  

Confirma um trecho da Apresentação, feita por Luiz Ruffato:

“Júlio é um personagem fascinante, que, com sua aparente indiferença, movimenta afetivamente os outros dois –           enquanto Gabriel, ainda que às vezes soe ingênuo e autêntico, já antecipa equivocadas escolhas futuras. O trio funciona bem, tendo Anna como vértice – ancorada em sua simpatia, amor pela vida, e certeza quanto ao que virá.

Juntos, os três amigos enfrentam a repressão policial, conhecem as drogas, frequentam bares, participam de eventos culturais, deparam com a dor do aborto e com a tragédia da morte – no caso, de Sávio, amigo que desaparece depois de uma grande manifestação estudantil contra a ditadura militar e cujo corpo é achado de forma inesperada. E, aqui, ressalte-se, a primorosa recriação do ambiente e a ressurreição de gírias há muito sepultadas.

Ao chegar o fim daquele ciclo – quando, formados, cada um tem que dar rumo às suas carreiras –, os três amigos firmam um pacto: encontrar-se novamente na passagem do milênio, daí a vinte anos, no Rio de Janeiro. É nessa reunião, não mais de três jovens galgando os degraus do futuro, mas de três adultos que já percorreram metade da escada, que se define o romance de Nicolato. O balanço inclui mágoa e ressentimentos, além de uma revelação terrível, que levará a um desfecho trágico. Um grande livro de um grande autor!”

Luiz Ruffato

Estreou em 2001 com “Eles eram muitos cavalos”, e, depois disso, publicou outros cinco romances, uma coletânea de contos, uma de poemas, uma de crônicas, um ensaio e uma história infantil. Seus livros ganharam os prêmios APCA (duas vezes), Jabuti (duas vezes), Machado de Assis da Biblioteca Nacional e Casa de las Américas, de Cuba, e estão publicados em 13 países. Em 2012 foi escritor-residente na universidade de Berkeley (EUA); e em 2016 ganhou o Prêmio Internacional Hermann Hesse, na Alemanha. 

Roberto Nicolato

Mineiro da Zona da Mata, radicado em Curitiba desde 1987, Roberto Nicolato é escritor, jornalista e professor. Com Doutorado e Mestrado em Estudos Literários pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), foi finalista do prestigiado Prêmio Off Flip de Literatura 2020, na categoria Poesias, sendo que seu poema “Desejos” será publicado em coletânea pelo selo, no próximo mês de abril. Também em 2020, Roberto Nicolato foi premiado no concurso Outras Palavras, do governo do Estado do Paraná, com a coleção de poemas “A noite sem tempo”, a ser publicada em 2021. Além de “Pacto”, a ser lançado em março de 2020 pela Fundação Cultural de Curitiba e Ministério do Turismo com apoio da Lei Aldir Blanc, é autor dos romances “A caminhada ou O homem sem passado” (Blanche Editora/2013) e “Do outro lado da rua” (Kotter Editorial/2016), do livro de poesias “Pequeno tratado do amor e da natureza” (Kotter Editorial/2020) e organizador do livro “Teorias do Jornalismo” (Editora Intersaberes/2019).