Romancista Salman Rushdie é atacado e ferido no palco em evento em Nova York

Salman Rushdie, o romancista nascido na Índia cuja morte já foi requisitada pelo Irã em 1989 por causa de seu trabalho, foi atacado no palco em um evento em Nova York e sofreu uma aparente facada no pescoço, informaram a Polícia do Estado de Nova York e uma testemunha.

Um homem correu para o palco da Chautauqua Institution, no oeste do Estado de Nova York, e atacou Rushdie quando ele estava sendo apresentado para fazer uma palestra sobre liberdade artística, disse uma testemunha. Um policial estadual presente no evento levou o agressor sob custódia, disse a polícia.

Rushdie foi levado de helicóptero para um hospital, mas seu estado de saúde ainda não é conhecido, disse a polícia. O relato da polícia não deu motivos para o ataque.

Rushdie, que nasceu em uma família muçulmana indiana, enfrentou ameaças de morte por seu quarto romance, “Versos Satânicos”, que alguns muçulmanos disseram conter passagens blasfemas. O romance foi banido em muitos países com grandes populações muçulmanas após sua publicação em 1988.

Um ano depois, o aiatolá Ruhollah Khomeini, então líder supremo do Irã, pronunciou uma fatwa, ou édito religioso, pedindo aos muçulmanos que matassem o romancista por blasfêmia.

Rushdie se escondeu por muitos anos. O governo iraniano disse em 1998 que não apoiaria mais a fatwa, e Rushdie tem vivido de forma relativamente aberta nos últimos anos. Organizações iranianas, no entanto, levantaram uma recompensa de milhões de dólares pelo assassinato de Rushdie.

O PEN America, um grupo de defesa da liberdade de expressão do qual Rushdie é ex-presidente, disse estar “se recuperando de choque e horror” pelo que chamou de ataque sem precedentes a um escritor nos Estados Unidos.

O senador americano Chuck Schumer, de Nova York, chamou de “um ataque à liberdade de expressão e pensamento”.