Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Em dia de sol, 92ª São Silvestre leva milhares de corredores às ruas de SP

(Foto: Divulgação) - 92ª São Silvestre leva milhares de corredores às ruas de SP
(Foto: Divulgação)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Com céu claro e ensolarado, teve início na manhã deste sábado (31) a 92ª São Silvestre, corrida de rua mais tradicional da capital paulista.

A prova começou às 8h20, quando foi dada a largada dos competidores cadeirantes. Às 8h40, foi a vez de as corredoras da elite feminina começarem a competição. Às 9h partiram os atletas da elite masculina, amadores e com deficiência.

Neste ano, os favoritos são os campeões de 2015: o queniano Stanley Biwott e a etíope Ymer Wude Ayalew. O mineiro Giovani dos Santos, melhor colocado do Brasil na corrida de 2015 (5º lugar), é a aposta entre representantes do país, que não tem um campeão na prova masculina há cinco anos.

Para a hidratação dos participantes há uma estimativa de 20 copos d'água para cada atleta. Desde 2014, o número de corredores é limitado a 30 mil pessoas. A edição 2016 alcançou este teto, incluindo 118 atletas de elite. A prova deste ano terá o mesmo número de postos de distribuição de água que no ano passado: um a cada dois quilômetros.

RECALCULANDO ROTAS

O percurso de 15 km sofreu alterações em relação ao trajeto do ano passado. Ruas da Barra Funda (como Olga, Margarida e outras das proximidades do Memorial da América Latina) foram retiradas do trajeto.

Por outro lado, o centro histórico de São Paulo foi mais contemplado no percurso atual, em especial a região da praça da República. Os participantes passarão perto da Biblioteca Mário de Andrade e da Câmara Municipal. A largada e a chegada se dão na av. Paulista. A primeira, em frente ao Masp. A segunda, na altura do prédio da Gazeta (número 900).

Todo o percurso terá vias bloqueadas para carros a partir das 6h30 até as 13h. A alteração do trajeto fez com que fosse diminuído o número de curvas. Isso deve tornar a prova mais rápida.

O recorde masculino pertence ao queniano Paul Tergat (43min12s, em 1995). O feminino foi batido por Priscah Jeptoo, do mesmo país afriacano (48min48s, em 2011).