Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Massa se aproxima do retorno; situação se complica para Nasr

( Foto: Studio Colombo/ Pirelli)  - Massa se aproxima do retorno; situação se complica para Nasr
( Foto: Studio Colombo/ Pirelli)

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Os próximos dias têm tudo para serem decisivos para os dois pilotos brasileiros da Fórmula 1: enquanto as chances de Felipe Massa retornar ao grid poucos meses depois de anunciar sua aposentadoria da categoria, a situação de Felipe Nasr se complica cada vez mais.

No caso de Massa, a confirmação passa pela contratação de Valtteri Bottas pela Mercedes. Várias fontes dão conta de que o negócio está fechado e o piloto até teria feito seu molde de assento em uma visita à fábrica do time alemão na semana passada, mas ainda não foi feito um anúncio oficial.

Bottas ocuparia a vaga de Nico Rosberg, que anunciou sua aposentadoria cinco dias após conquistar o campeonato de 2016. A decisão pegou seu time de surpresa e o colocou em uma situação complicada, uma vez que todos os grandes nomes já estavam sob contrato para 2017.

A solução, portanto, foi oferecer um desconto no fornecimento dos motores a uma das clientes da Mercedes, a Williams, em troca de Bottas, piloto com quatro temporadas de experiência e boas performances na carreira. O time inglês, contudo, deixou claro que só liberaria o finlandês caso tivesse um piloto experiente para colocar em seu lugar e, por conta disso, procurou Massa.

O brasileiro havia decidido deixar a Fórmula 1 por uma série de fatores, mas nunca escondeu que a falta de cockpits competitivos foi importante. Afinal, há meses a Williams já sinalizava com um acordo para promover a estreia do canadense Lance Stroll, o que foi confirmado após o anúncio de aposentadoria de Felipe. Massa, então, aceitou o convite, sempre na dependência do que acontecesse com Bottas.

NASR

A aposentadoria surpreendente de Rosberg chegou a aumentar as chances de Felipe Nasr de permanecer como titular em 2017, uma vez que o primeiro candidato cotado foi Pascal Wehrlein, piloto do programa de desenvolvimento da Mercedes. O alemão estava praticamente acertado com a Sauber, equipe pela qual o brasileiro correu nas duas temporadas que disputou, antes do final da temporada mas caberia à Mercedes decidir seu destino.

A falta de experiência, contudo, minou as chances de Wehrlein, que deve ser confirmado em breve na Sauber.

Com isso, resta a Nasr entrar na briga por uma vaga na Manor. O time teria trocado de mãos no final de dezembro, mas um anúncio oficial ainda não foi feito. Como acredita-se que os novos donos tenham ligação com o braço asiático de uma marca de fast food, é esperado o retorno do indonésio Rio Haryanto. Outro candidato forte é o mexicano Esteban Gutierrez, que conta com uma boa quantia em patrocínio.

Dentro da luta pela vaga na equipe que tem o menor orçamento do grid, é importante que Nasr leve investimentos, mas ao mesmo tempo o piloto perdeu grande parte de seu apoio no final do ano passado, o que complica sua situação.

Além disso, indiretamente, o eventual retorno de Massa também é ruim para Nasr politicamente, uma vez que existe o interesse do promotor Bernie Ecclestone em manter um brasileiro no grid, afinal, o país é o segundo em números absolutos de audiência e é o único da América do Sul com presença na categoria.

A decisão dos pilotos da Manor pode se estender por semanas. Ano passado, por exemplo, o time só confirmou sua dupla dia 18 de fevereiro.

Os testes de pré-temporada da Fórmula 1 começam dia 27 de março, em Barcelona, na Espanha.