Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Pilotos defendem permanência de Interlagos no calendário da F-1

(Foto: Foto Studio Colombo/ Pirelli) - Pilotos defendem permanência de Interlagos no calendário da F-1
(Foto: Foto Studio Colombo/ Pirelli)

Os pilotos da Fórmula 1 torcem para o GP do Brasil continuar no calendário da categoria do próximo ano. A presença de Interlagos em 2017 ainda não está confirmada, já que no cronograma provisório, a etapa apareceu como "sujeita a alteração". A incerteza motivou alguns competidores a manifestarem apoio à continuidade do autódromo paulistano.

O pole position da corrida deste domingo, o inglês Lewis Hamilton, da Mercedes, ressaltou a tradição do GP, presente no calendário desde 1973. "Tem corridas em que não vemos um terço do público presente em Interlagos. Torço para que continue, mas entendo que é necessário colocar muito dinheiro nesse evento e isso poderia propiciar muita coisa para este País e quem mora aqui", explicou Hamilton.

O Estado de S. Paulo revelou neste sábado que a saída de dois importantes patrocinadores, Petrobras e Shell, vai fazer o GP fechar com prejuízo de R$ 98 milhões neste ano. A despesa é coberta pela Formula One Management (FOM), empresa responsável por gerenciar a competição. O chefe da categoria, Bernie Ecclestone, disse neste sábado ao site Motorsport que não garante a continuidade da etapa.

O vencedor das duas últimas edições, o alemão Nico Rosberg, endossou o apoio de Hamilton, companheiro de Mercedes. "Eu espero que possamos voltar em 2017, porque é uma pista incrível, uma corrida espetacular e a torcida adora. Então, precisamos estar aqui de volta no próximo ano", afirmou neste sábado.

O finlandês Kimi Raikkonen, da Ferrari, se sagrou campeão do mundo em 2007 com a vitória no Brasil e lamentou a situação. Para ele, se os pilotos pudesse decidir o calendário, voltariam ao Brasil mais vezes. "Infelizmente, tudo envolve dinheiro. A maior quantia acaba levando a corrida", comentou.