Base do Operário mescla treinos e estudos para formação integral dos atletas

Um dos pilares do projeto Jovens Talentos Ponta-Grossenses é a formação integral dos atletas do Operário Ferroviário. O processo de desenvolvimento é composto por dimensões físicas, intelectuais, emocionais, espirituais, sociais e culturais. O programa busca desenvolver um trabalho e ofertar educação para os atletas com base nos valores do clube, respeitando e fazendo com que eles participem ativamente na construção e organização do próprio desenvolvimento pessoal e profissional.

A pedagoga das categorias de base do Alvinegro, Adriane Presaniuk, detalha que a formação do clube não fica apenas dentro do campo, mas também participa no desenvolvimento como cidadão. “Quando falamos sobre educação e formação integral, o nosso compromisso é de ensinar além do esporte, ou seja, formar cidadãos críticos e autônomos, capazes de produzir e reproduzir, para que esses atletas possam levar a vida a fora todos os valores adquiridos e esses possam retornar para a sociedade.”

O objetivo do Operário, como clube formador, é garantir que todos os atletas tenham direito e acesso à informação. Entre as expectativas, se espera que os jogadores concluam o ensino médio, mas a instituição, segundo a pedagoga, tem avançado em algumas etapas nessa situação. Entre os meninos das categorias de base, três estão cursando o ensino superior. “Tudo isso mostra que nosso trabalho tem apresentado bons resultados. Estamos sempre atentos à formação pessoal e profissional dos atletas, sempre incentivando a busca pelo conhecimento.”

Cursando Educação Física, Ruan Mateus, de 17 anos, comentou sobre a instituição dar todo apoio para o início da formação acadêmica. “ Estou gostando dos conteúdos da faculdade, conseguindo manter um horário de treino e de estudos corretamente. Optei em fazer Educação Física, pois gosto de praticar exercícios físicos desde pequeno, e acho que todos os atletas necessitam de uma formação acadêmica, pois não se sabe se vai dar certo a carreira de atleta.”

Entre treinos, estudos e trabalho, o atleta e estudante de Educação Física, Rodrigo Rodrigues, de 19 anos, declara que a mescla da formação pessoal e profissional está sendo uma experiência muito boa, porém que exige bastante disciplina. “ A maneira em como funcionam as coisas no clube, em questão a organização e a importância de realizar atividades (extra campo), faz com que as ações sejam no ‘automático’, ou seja, tudo que eu for fazer, passa pelo que já desenvolvi no clube. Vale destacar também a parceria do Operário com o Instituto Mundo Melhor, que pra nós atletas é muito bacana, porque não sabemos o dia de amanhã, e os cursos podem abrir outras oportunidades, além do futebol.”

O atleta sub-19, Jhon Gutiérrez, de 18 anos, passou em Educação Física Licenciatura na Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), as aulas, de maneira remota, já iniciaram. O lateral-esquerdo conta como está sendo a experiência nestes primeiros dias letivos de curso. “ Está sendo diferente, principalmente pelo fato de ser remoto, mas o sonho grita mais alto. A experiência é maravilhosa, não vejo a hora de voltar às aulas presenciais. Tenho certeza que vou ter muito mais vontade de conhecimento com as aulas.”

As categorias de base do Fantasma estão com as atividades presenciais suspensas e os atletas estão realizando treinamentos em casa com supervisão das comissões técnicas por videoconferência. Além dos treinos e das palestras, eles fazem cursos online, disponibilizados pelo Instituto Mundo Melhor, participam de atividades pedagógicas e palestras semanais e recebem atendimento psicológico também em videoconferência.