Bragantino atropela o Flamengo com goleada por 4 a 0

Com a colaboração de Estadão Conteúdo

Por Fábio Hecico

bragantino-flamengo-goleada
Foto: Divulgação/Red Bull Bragantino

São Paulo, 22 (AE) – A pausa da Data Fifa que era para ajudar muitas equipes fez um mal enorme ao Flamengo. O time vinha embalado por quatro vitórias seguidas e não perdia há 10 partidas e não jogou futebol em Bragança Paulista. Dominado do início ao fim, os cariocas acabaram derrotados por humilhantes 4 a 0 diante do Red Bull Bragantino – podia ser bem mais -, deram adeus à série sem derrotas e desperdiçaram a chance de assumir a segunda colocação do Brasileirão.

Sonolento, apático, preguiçoso e totalmente desorganizado, o Flamengo pouco ofereceu de perigo ao Bragantino. Pelo contrário, foi sufocado, colocado nas redes e ainda viu Matheus Cunha salvar em vários lances. O goleiro, apesar de sofrer quatro gols, ainda fez defesas difíceis que evitaram uma surra ainda maior.

Depois de ver o Palmeiras perder para o Bahia, o Flamengo dependia apenas de suas forças para superar o segundo colocado na tabela, ficando atrás somente do líder Botafogo. Mas a pífia apresentação ainda custou uma posição, já que o time acabou superado pelo Grêmio.

Em casa, o Bragantino começou muito melhor. Mostrando mais disposição em campo e abusando das trocas de passes em velocidade, acuou o Flamengo nos minutos iniciais. E criou chances para abrir o placar em batidas de Sasha e Jadsom.

Com seu jeito agitado na beira do campo, o técnico Jorge Sampaoli caminhava de um lado para o outro ao mesmo tempo em que falava muito com o time. Cobrava mais calma e pedia para a equipe administrar mais a posse de bola, ao mesmo tempo em que pedia para os comandados saírem da defesa. “Ajuda, ajuda”, gritava, irritado.

A marcação alta e atrevida dos paulistas, contudo, parecia surpreender os cariocas. Assustado em campo, o time não se achava e era sufocado. A estratégia de Pedro Caixinha só não era perfeita pela falta do gol. Antes de 20 minutos, Matheus Cunha já tinha feito defesas salvadoras. Após batida de Mosquera, o goleiro ficou no chão para dar uns segundos para a equipe se ajustar no campo.

O Flamengo de bola nos pés e toque refinado, entretanto, não conseguia jogar. Os chutões buscando ligação direta eram facilmente recuperados pelo Bragantino. Com 30 minutos, o goleiro Lucão não havia trabalhado ainda. A primeira finalização dos cariocas ocorreu somente aos 34 minutos. Pedro mandou pelo alto.

De tanto insistir, e ter escanteios a favor na etapa – foram 11 – o Bragantino enfim transformou sua enorme superioridade em vantagem no marcador. Evangelista colocou na cabeça de Eduardo Santos, que anotou seu primeiro gol pelo time. Com 1 a 0 merecido, o time do interior foi ao vestiário com o sentimento que poderia ter vantagem maior.

Um dos líderes do elenco, Everton Ribeiro saiu de campo reclamando do egoísmo dos companheiros de Flamengo. Em sua visão, mesmo sendo dominado, o time poderia render mais se atuasse em grupo. Curiosamente, o jogador foi o escolhido por Sampaoli para sair. Ficou no vestiário.

O Flamengo nem bem testou a nova formação, com a entrada de Pulgar, e já sofreu novo gol. Mosquera recebeu, se livrou do marcador e fez uma pintura em batida de fora da área. Logo com três minutos. Só depois da gigante desvantagem que os cariocas tiveram lampejos em campo. Arrascaeta carimbou a trave e Gerson bateu com perigo. Foi só.

Empurrado por uma animada torcida, o Bragantino retomou o domínio da partida e não teve dificuldades em ampliar. Capixaba cruzou e Evangelista cabeceou na trave. No rebote, livre, Alerrandro ampliou a surra. Ainda deu tempo de Mosquera aproveitar erro de Wesley e definir a maiúscula vitória em noite com mais de 30 finalizações de um ligado time do interior diante de um modorrento rival carioca que não conseguiu competir e pela primeira vez sai de campo sem balançar as redes.

Ficha técnica: Red Bull Bragantino 4 x 0 Flamengo

  • Red Bull Bragantino: Lucão; Eduardo Santos, Luan Patrick, Juninho Capixaba e Jadsom (Aderlan); Matheus Gonçalves, Lucas Evangelista (Gustavinho) e Eric Ramires (Praxedes); Mosquera, Vitinho (Sorriso) e Eduardo Sasha (Alerrandro). Técnico: Pedro Caixinha.
  • Flamengo: Matheus Cunha; Wesley, Fabrício Bruno, David Luiz e Léo Pereira (Ayrton Lucas); Thiago Maia, Gerson, Everton Ribeiro (Pulgar) e Arrascaeta (Victor Hugo); Everton Cebolinha (André Luiz) e Pedro (Bruno Henrique). Técnico: Jorge Sampaoli.
  • Gols: Eduardo Santos, aos 40 minutos do primeiro tempo; Mosquera, aos 3 e aos 35, e Alerrandro aos 30 do segundo.
  • Árbitro: Anderson Daronco (RS).
  • Cartão amarelo: Não houve.
  • Renda: R$ 492.460,00.
  • Público: 10.103 presentes.
  • Local: Estádio Nabi Abi Chedid, em Bragança Paulista.
Entre no grupo do Massa News
e receba as principais noticias
direto no seu WhatsApp!
ENTRAR NO GRUPO
Compartilhe essa matéria nas redes sociais
Ative as notificações e fique por dentro das notícias
Ativar notificações
Dá o play Assista aos principais vídeos de hoje
Colunistas A opinião em forma de notícia
Alisha
Alorino
Antônio Carlos
Bianca Granado
Camila Santos
Edvaldo Corrêa
Elaine Damasceno
Fabiano Tavares
Gabriel Pianaro
Giselle Suardi
Guilherme C Carneiro
Mateus Afonso
Mauro Mueller
Oseias Gomes
Papai em Dobro
Tais Targa