Como foi a segunda madrugada dos Jogos Paralímpicos de Tóquio para os brasileiros

Depois de fechar o primeiro dia de competições com quatro medalhas na natação (uma de ouro, uma de prata e duas de bronze), a missão brasileira estreou em mais duas modalidades nos Jogos Paralímpicos de Tóquio: hipismo e halterofilismo. Além disso, os nadadores do país chegaram a mais cinco finais no Centro Aquático da capital japonesa. Confira tudo o que rolou e o que ainda há para acompanhar nesta quinta-feira, 26.

Hipismo

O cavaleiro Rodolpho Riskalla estreia nos Jogos Paralímpicos de Tóquio, às 5h51 da manhã desta quinta-feira, 26, no Equestrian Park. O atleta vai iniciar sua jornada no hipismo na disputa individual do grau IV. Medalha de prata no Mundial de Tryon, nos Estados Unidos, em 2018, ele chegou à capital japonesa acompanhado pelo cavalo Don Henrico, da raça Hannoveraner de 18 anos de vida.

Rodolpho era cavaleiro do hipismo convencional, com passagens pela equipe brasileira. Porém, contraiu uma meningite bacteriana em 2015 e teve parte da mão e das pernas (abaixo do joelho) amputados. O atleta já havia acompanhado competições de paraequestre e resolveu ingressar na modalidade dois meses após sua recuperação.

Natação

No segundo dia de natação dos Jogos Paralímpicos de Tóquio, os brasileiros vão participar de seis finais no Centro Aquático de Tóquio. As provas têm início às 5h da manhã (horário de Brasília).

Daniel Dias, maior medalhista brasileiro, conquistou sua 26ª medalha em Jogos Paralímpicos. Ele ganhou o bronze na prova dos 100m livre (classe S5). Na classificatória, Daniel passou com o segundo melhor tempo e terminou a final com 1min10s87, apenas sete centésimos à frente do chinês Tao Zheng, que terminou em quarto. O ouro foi para o italiano Francesco Bocciardo (1min09s56), seguido do chinês Lichao Wang (1min10s45). 

As outras cinco finais são:

Joana Neves: 100m livre na classe S5. Seu tempo nas classificatórias foi de 1m27s36 – o 8º melhor na classificação geral.  Na final, ela tabém ficou em 8ª, com o tempo de 1m27s62.

Talisson Glock: 200m medley na classe SM6. Seu tempo nas classificatórias foi de 2m49s49 – o 5º melhor na classificação geral. Na final, ele ficou em 6º, com o tempo de 2m45s17

Matheus Rheine: 400m livre S11. Seu tempo nas classificatórias foi de 4m52s38 – o 5º melhor na classificação geral.

Ruan Felipe: 100m peito SB9. Seu tempo nas classificatórias foi de 1m10s96 – o 6º melhor na classificação geral.

Revezamento 400m livre 20 pontos: na fase classificatória, a equipe foi formada por Eric Tobera (S4), Gabriel de Oliveira (S6), Patrícia Pereira dos Santos (S4) e Laila Abate (S6). O tempo brasileiro foi de 2m38s01 – o 6º melhor na classificação geral.

Esgrima

No Makuhari Messe Hall B, destaque na esgrima em cadeira de rodas para o gaúcho Jovane Guissone, de 38 anos, na disputa com espada da categoria B (para atletas com menor mobilidade no tronco e equilíbrio). O esgrimista chegou à semifinal após superar o iraquiano Ammar Ali nas quartas e, à final, ao derrotar o britânico Dimitri Coutya . A final contra Alexander Kuzyukov, do Comitê Paralímpico Russo, está prevista para começar às 7h30 desta quinta-feira, 26.

Natural da cidade de Barros Cassal, Jovane é o dono da única medalha paralímpica na história da esgrima brasileira –  o ouro na espada nos Jogos Londres 2012.

No feminino, Carminha de Oliveira foi eliminada na espada individual categoria A (atletas com mobilidade no tronco; amputados ou com limitação de movimento). A paranaense de Foz de Iguaçu perdeu as quatro lutas que realizou.

Halterofilismo

Os brasileiros do halterofilismo estrearam nesta madrugada com o potiguar João França Júnior, da categoria até 49kg, no Fórum Internacional de Tóquio. Ouro nos Jogos Parapan-Americanos de Lima 2019, o brasileiro terminou a prova nos Jogos na 6ª colocação – levantando 139 kg.

Já a mineira Lara Aparecida de Lima, prata na categoria até  41 kg nos Jogos Parapan-Americanos Lima 2019, terminou em sétimo lugar – levantando 88 kg.

Ciclismo

O primeiro ciclista brasileiro a entrar no Izu Velódromo neste segundo dia de competições  foi Carlos Alberto Soares – prova do contrarrelógio 3000m C1, em que os atletas competem em bicicletas convencionais. Esta classe é direcionada aos competidores com deficiência físico-motora e amputados. O ciclista terminou a prova na 10ª colocação,  com o tempo de 4m26s763.

Medalhista de prata (estrada) e bronze (contrarrelógio) nos Jogos Rio 2016, o paulista Lauro Chaman terminou em 9º lugar nos 1000m  (C4), prova que não é a sua especialidade.

Tênis De Mesa

A mesa-tenista brasileira Joyce Oliveira é a primeira classificada da modalidade para as fases eliminatórias do individual nos Jogos Paralímpicos de Tóquio. Na madrugada desta quinta-feira, 26, no Ginásio Metropolitano, ela derrotou a jordaniana Faten Elelimat, por 3 a 0 (11/7, 11/9 e 11/7), garantindo o segundo lugar no grupo D da classe 4 feminina. A próxima adversária, nas oitavas de final, será conhecida posteriormente.

“Estou feliz, mas ainda não acabou. Tenho que me concentrar, para continuar passando de fases”, disse a atleta.

Já Cátia Oliveira ( classe 1-2)  enfrentou a polonesa Dorota Buclaw e foi derrotada por 3  sets a 1 (11/8, 10/12, 9/11 e 10/12). Mesmo assim, tem chances de se classificar para as quartas de final. Para isso, basta a polonesa vencer seu último jogo, ainda nesta quinta-feira, 26, às 6h40, diante da finlandesa Aino Tapola.

No masculino, Carlos Alberto Carbinatti derrotou o sul-africano Theo Cogill por 3 sets a 0  (11/8, 14/12 e 11/5). Com o resultado, Carbinatti continua na briga por uma vaga nas quartas de final da classe 10 masculina. Para conseguir o objetivo, terá  que vencer o austríaco Krisztian Gardos, nesta sexta-feira, 27, à 1h40, pela última rodada do grupo D.

Goalball

No confronto entre duas seleções medalhistas nos Jogos Paralímpicos  Rio 2016, o Brasil, que ficou com o bronze em casa, perdeu para os EUA, prata na última edição, por 8 a 6. Os gols brasileiros foram marcados por Leomon Moreno (3), Parazinho (2) e Romário (1).

Em uma partida bastante equilibrada na arena Makuhari Messe Halle e com muitas alternâncias no placar, os brasileiros saíram na frente, cederam o empate, ficaram em vantagem novamente e chegaram a tomar a virada por 3 a 2 – resultado da primeira etapa.

No segundo tempo, o Brasil se recuperou e chegou a liderar o jogo. No entanto, no fim, após desperdiçar dois pênaltis, os brasileiros acabaram sendo derrotados por 8  a 6 pelos norte-americanos.

Depois de estrear com uma goleada contra a atual campeã paralímpica Lituânia e perder para os norte-americanos, a Seleção volta à quadra diante da Argélia, nesta sexta-feira, 27, às 8h30 (horário de Brasília).  “A Argélia é uma seleção que não pode dar mole. A gente vai entrar com força total e com foco, como sempre. Da primeira à última bola, vamos entrar arregaçando. Não tem mais essa de segurar jogadas. Precisamos de uma postura diferente”, disse Parazinho, um dos atletas da Seleção.