Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

A mística de You'll Never Walk Alone: canção que embala o Liverpool, finalista da Champions League

(Foto: Divulgação) - A mística de You'll Never Walk Alone: canção que embala o Liverpool
(Foto: Divulgação)

Poucas canções são tão proximamente associadas com um time de futebol como You'll Never Walk Alone e o Liverpool - finalista da Champions League deste ano, no dia 1 de junho, no estádio Metropolitano de Madrid, na Espanha, contra o Tottenham.

Um hino coletivo ao triunfo sobre a adversidade, ele parece feito para manter a esperança da torcida nas arquibancadas durante a partidas - não à toa foi cantado após a vitória por 4 a 0 sobre o Barcelona, no começo do mês, após uma derrota por 3 a 0 no primeiro jogo.

You'll Never Walk Alone surgiu pela primeira vez no musical Carousel, da Broadway, em Nova York, em 1945, mas a versão mais conhecida é a que foi gravada pelo grupo Gerry and the Pacemakers, oriundos de Liverpool.

Há um debate sobre quando se cantou You'll Never Walk Alone pela primeira vez na arquibancada de um jogo do clube de futebol da cidade. Mais do que isso: sobre quem foi que teve a ideia de levar a canção para o Anfield Road, o lendário estádio dos Reds, nos anos 1960. Mas se sabe, por exemplo, que a casa do Liverpool foi uma das primeiras entre os grandes times da Europa a ter um DJ, de forma que os torcedores podiam cantar os principais hits da época antes das partidas -- como canções dos Beatles, de Cilla Black -- e de Gerry and the Pacemakers.

You'll Never Walk Alone entrou no top 10 do DJ do Anfield Road (e dos hits na Inglaterra) no dia 19 de outubro de 1963, em um jogo do Liverpool contra o West Brom, pelo campeonato nacional, quando acredita-se ter sido a primeira vez que a torcida o entoou, com lanternas e faixas, das arquibancadas. Duas semanas depois, foi a canção final da lista do Anfield antes de uma partida diante do Leicester. A música permaneceu quatro semanas no top 1 e nove semanas no top 10, mas os torcedores continuaram cantando durante os confrontos à medida que ela saindo do topo dos hits.

Gerry Marsden e seus amigos de banda certamente ajudaram a tornar You'll Never Walk Alone um cântico de arquibancada, apesar de alguns torcedores dizerem que entoavam a canção antes do grupo gravá-la. Segundo eles, os fãs do Liverpool cantaram-na pela primeira vez depois da semifinal da Copa da Inglaterra, em abril de 1963, contra o Leicester, em Hillsborough -- Gerry and the Pacemakers fizeram sua versão seis meses depois.

A história de You'll Never Walk Alone é mais longa do que isso, de fato: escrita como uma canção triste para a família do protagonista de Carousel, Billy Bigelow, que morre durante uma tentativa de assalto, ela se tornou imediatamente popular nos Estados Unidos, de forma que o astro da época, Irving Berlin, comparou a letra com o Salmo 23 da Bíblia. Em 1956, o musical da Broadway se tornou um filme famoso de Hollywood, quando nomes como Frank Sinatra, Doris Day e Shirley Bassey gravaram versões de You'll Never Walk Alone. Esse é o principal argumentos dos torcedores que protestam contra a versão (da história e da canção) de Gerry.

Qual tenha sido a inspiração, em 1965 os torcedores do Liverpool podiam ser ouvidos de todas as partes do lendário Wembley, em Londres, cantando You'll Never Walk Alone durante a final da Copa da Inglaterra, contra o Leeds. Durante a transmissão da partida, o então comentarista Kenneth Wolstenholme disse que aquela era a "música-assinatura" do clube.

Logo, ela foi adotada também pelos torcedores do Celtic, da Escócia, depois da semifinal da Copa da Liga Inglesa disputada em Anfield Road, e pelos fãs do Borussia Dortmund -- que costumam cantá-la até hoje. No entanto, You'll Never Walk Alone permaneceu fortemente ligada aos Reds: após a vitória sobre o Barcelona, o vídeo da torcida cantando a música ao lado dos jogadores viralizou nas redes sociais.

You'll Never Walk Alone e a "Kop"

Além da canção famosa, a torcida do Liverpool tem outra história para contar: até 1994, o Anfield Road tinha, atrás de um dos gols, uma arquibancada conhecida como Spion Kop, cuja referência é uma guerra dos soldados britânicos na África do Sul no começo do século XX.

Em 1900, explodiu a Segunda Guerra Boer, um conflito entre o Império Britânico e as duas nações Bôeres, a República Sul-Africana e o Estado Livre de Orange, sobre o domínio da África do Sul. Em um dos episódios da guerra, cerca de 300 soldados britânicos -- a maioria de Lancashire e muitos da cidade de Liverpool -- tentaram se manter no topo de uma montanha chamada Spion Kop, na África do Sul.

Segundo os relatos, 10 mil soldados e a própria montanha de 457 metros ficaram entre os regimentos rivais e a cidade que queriam tomar, Ladysmith. O problema foi que, uma vez alcançada, os britânicos notaram que o exército Bôer estava do outro lado, empoleirado em uma montanha maior, de onde abriram fogo. Incapazes de escapar dos tiros por causa da formação rochosa da Spion Kop, muitos deles morreram ali mesmo.

Segundo conta o próprio clube, sobreviventes do episódio na África do Sul voltariam à Inglaterra e ajudariam a construir a arquibancada de Anfield Road, em 1906, batizando-a em memória dos falecidos na guerra. Sua ideia era rememorar, de fato, a batalha na montanha, e por isso seu tamanho: 25 mil torcedores podiam assistir aos jogos dali. Em 1928, após uma reforma do estádio, ela aumentou a capacidade para 28 mil torcedores e ganhou degraus e um teto para os dias de chuva.

Segundo relatos, os torcedores passaram anos jogando as cinzas de pessoas queridas no gramado em frente à Kop antes dos jogos do Liverpool, e sua mística -- assim como You'll Never Walk Alone -- também era uma arma do time dentro de campo. O lendário técnico Bill Shankly dizia que gostava de atacar no gol da arquibancada porque "a Kop chupava a bola pra dentro da rede". Por conta das cinzas dos torcedores mortos, ele ainda chamava a Kop de "santuário".

Em 1987, durante uma reforma, a Spion Kop quase desabou quando a rede de esgoto embaixo da fundação estourou, inundando-a de água. Uma reforma de emergência foi feita, mas o Liverpool aproveitou para adequá-la aos recentes clamores de segurança nas arenas inglesas: com cadeiras, passou a abrigar apenas 12 mil torcedores por jogo. No jogo de despedida da antiga arquibancada, Gerry Marsden cantou sozinho You'll Never Walk Alone e, no refrão, fez um coro junto com a torcida.

Mesmo hoje, as origens do nome e a verdadeira natureza de sua construção pode ser ouvida durante os jogos, em que somente os presentes no lugar onde a Kop ficava cantam o hino Poor Scouser Tommy, cuja letra fala sobre um soldado que morre no campo de batalha.

Colaboração Assessoria de Imprensa

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo