Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Andrés admite que Lava Jato atrapalha negociação dos 'naming rights' do Itaquerão

(Foto: Divulgação/Estadão)  - Andrés admite que Lava Jato atrapalha negociação dos 'naming rights'
(Foto: Divulgação/Estadão)

Ex-presidente do Corinthians e responsável pelo projeto da Arena Corinthians, Andrés Sanchez está preocupado com o fato de as coisas relacionadas ao estádio não estarem saindo como o planejado. Ele não consegue vender os naming rights da casa corintiana e a operação Lava Jato atrapalha o andamento das negociações.

Em entrevista exclusiva ao jornal O Estado de S. Paulo, Andrés abre o jogo, diz que as suspeitas sobre a arena atrapalham, responde para quem fala que o ex-presidente Lula deu o estádio ao clube, revela um pedido do político, assegura que o pagamento da obra não afetará o futebol corintiano e ironiza o presidente do Palmeiras, Paulo Nobre, pelo fato de o estádio do clube rival ter sido feito pela WTorre.

O plano de negócios da arena não funcionou?

O plano foi feito por um especialista, que é o Luis Paulo Rosemberg. O estádio custou uns R$ 985 milhões e tem mais uns R$ 40 milhões ou R$ 50 milhões que faltam para terminar a construção. Temos R$ 500 milhões do CID (Certificado de Incentivo ao Desenvolvimento), que foi questionado na Justiça, mas vencemos na primeira instância e a segunda será decidida logo mais. Já vendemos uma parte, mas não conseguimos vender mais por causa dessa briga judicial, pois os interessados pedem desconto de 30% e não aceitamos. Os naming rights estão atrasados por mil razões. Pegando esses valores, você tem uns 70% do estádio pago. Camarote, a gente imaginava vender mais rápido, mas não esperávamos essa crise que o País vive.

A Lava Jato influencia ou amedronta alguma empresa a dar nome ao estádio?

Incomoda, pois todas as obras da construtora estão sendo questionadas. Mas temos uma auditoria para ver a parte financeira e tudo que tem no estádio. Quando acabar, saberemos o que tem de certo e errado, mas é óbvio que a Lava Jato atrapalha, porque ficam falando toda hora que a arena vai entrar nisso.

E vai entrar?

O Corinthians não sabe de nada. Mas quero que procurem mesmo, porque se, tiver algo, o Corinthians é vítima e vai correr atrás de seus direitos. Eu não tenho medo da Lava Jato, porque não roubei nem sei de ninguém que tivesse roubado no estádio.

Alguma empresa te falou que não vai investir na arena por medo da Lava Jato?

Nenhuma. A preocupação é se a imprensa vai falar o nome. Por exemplo, vocês só sabem chamar o estádio de Itaquerão.

A WTorre teria o mesmo problema no Allianz Parque e conseguiram acertar o nome antes mesmo de ter jogo por lá...

E vocês escrevem Allianz Parque? Ninguém fala o nome do estádio (a Agência Estado passou a chamá-lo assim desde a oficialização do nome). Vocês questionam tudo da arena, porque não fazem isso com o Allianz Parque também? Pega lá os documentos e veja como estão as coisas no lado do Palmeiras.

Quanto você quer hoje para ceder o direito do nome do estádio?

Sei lá, se chegarem com uns R$ 300 milhões ou R$ 200 milhões eu aceito. O que pagarem a gente fecha (o Corinthians insistiu por muito tempo em R$ 400 milhões).

Se arrepende de falar toda hora que os naming rights estão perto e nunca fecha?

Você quer que eu fale o quê? Se eu falar que não vai fechar, tenho de parar.

Esse discurso de falar que está quase certo e não fechar acaba sendo negativo para o clube?

Não sei o motivo. Vocês me perguntam, falo que vai fechar logo, passam dois meses, não fecha e me chamam de mentiroso. Não depende de mim. Acha que não quero fechar? Mas é um projeto novo, é mais complicado. Mas uma hora vai fechar. Pode ficar tranquilo.

O que ocorreu na negociação com a Apollo Sports?

Ela ia cuidar da parte financeira da arena e do clube, não teria nada a ver com o nome do estádio. O problema é que deram como garantia um terreno no litoral (em Itanhaém) e outro no interior do Estado. Na crise que está o Brasil, eu vou vender terreno? Por isso a negociação não evoluiu.

O Corinthians contratou uma auditoria que está emperrada porque a Odebrecht não está liberando os documentos para análise. Sabe o motivo?

Você acha que a vida dela está fácil? Deve estar um inferno lá dentro. Eles não têm como esconder se tiver algo errado. De um jeito ou de outro, o clube vai saber. A demora faz parte.

Temos vários casos de placas de mármore caindo do teto e outros problemas do gênero. O estádio não foi construído direito?


Você já comprou um apartamento novo? Tem entupimento, não funciona uma torneira. Isso é normal. O estádio tem dois anos de inauguração só.

Mas entupimento de um ralo ou torneira pingando é diferente de uma placa de mármore cair na cabeça das pessoas e poder matar alguém...

Por isso está sendo feita a auditoria. O Corinthians não deu o aceito do estádio ainda e tudo está sendo levantado. Os caras fazem ponte e ela cai, pô. Isso acontece. Pode ficar tranquilo que não vai cair placa na sua cabeça. Não sei por que vocês falam tanto da arena e não falam da WTorre.

Talvez seja porque o estádio do Corinthians teve dinheiro público, não?

E do Palmeiras, não? Pegou dinheiro do Banco do Brasil e da Caixa. O Corinthians pega na Caixa e é dinheiro público. O Palmeiras pega no Banco do Brasil e é dinheiro privado? Se você pega um financiamento para comprar uma casa, está pegando dinheiro público?

A arena teve incentivo fiscal. Isso não é dinheiro público?

Está bom, mas qual estádio do País não tem incentivo fiscal? O Corinthians foi beneficiado, assim como várias empresas e shoppings. Vocês falavam que eu tinha ganho o estádio do Lula. Agora fala que não vamos pagar. Tem de decidir.

Se você não fosse amigo do Lula, o estádio sairia?

(Risos) É, o Lula me ajudou muito, claro. O Lula deu um estádio para gente, mas temos que pagar R$ 900 milhões por esse presente. Que amigo, né? A única coisa que o Lula se meteu e falou foi: "Que papo é esse de Pacaembu? Tem que fazer o estádio em Itaquera, pois ajuda a desenvolver a Zona Leste". Só isso.

Não ter a renda da bilheteria pelo próximos dez ou 15 anos, prazo em que se espera ter pago a arena, não pode atrapalhar as finanças do clube?

Outra bobagem. Estádio é uma coisa e futebol é outra. Se o clube não contrata, não é por causa do estádio. O que o Corinthians perdeu de bilheteria? No Pacaembu, o ano que mais deu renda foi R$ 10 milhões. A média era entre R$ 4 milhões e R$ 5 milhões. Falam: "Ah, está perdendo R$ 100 milhões de renda". Só que esquecem que antes não existiam esses R$ 100 milhões. E tem outra: não está perdendo dinheiro, está pagando o nosso estádio. Nosso! Pede para o Paulo Nobre tentar entrar no estádio do Palmeiras. Ele vai ficar meia hora na porta e não vão deixá-lo entrar. Ele não manda nada lá. Na nossa arena, a gente entra e sai quando quiser.

Então, dirigente não pode falar que não contrata por causa da dívida do estádio?

Se algum dirigente falar isso, é mentiroso. Pode falar que o Andrés disse que ele é mentiroso. Se faltar dinheiro para pagar o estádio, a gente refinancia, mas não se pega dinheiro do clube para isso.

A arena foi um bom negócio?

Sim, mas veremos isso no futuro apenas. Está com uma dificuldade agora, mas daqui uns três ou quatro anos vai ser o melhor negócio da história do Corinthians.

Você também é deputado federal pelo PT. Pensa em reeleição ou tentar um cargo maior, como prefeito ou governador?

Você está de brincadeira. Se querem renovação, não vai ser comigo. Já tenho 52 anos e minha pretensão é de menos dez. Tentar uma reeleição, não sei. Faltam dois anos ainda. A burocracia desse país é muito triste e é difícil fazer as coisas.