Operário leva dois, reage nos últimos minutos e vence o Ituano de virada

O final de semana do futebol brasileiro começou com muita bola na rede e emoção. No início deste sábado (21), pela oitava rodada da Série B do Campeonato Brasileiro, o Operário venceu o Ituano de virada por 3 a 2, em duelo disputado no Germano Krüger, em Ponta Grossa.

Com o triunfo em casa, o Fantasma chegou aos 12 pontos e pulou para a sétima posição. Enquanto o Galo ocupa o 11º lugar, com nove pontos.

Na próxima rodada, o Alvinegro viaja para o Norte do Paraná ´para encarar o Londrina na quarta-feira (25). O Ituano entra em campo no dia seguinte (26) para receber o Náutico em casa.

O jogo

Mandante da partida, o Operário pressionou no início da partida e acumulou chances antes dos 15 minutos. Paulo Sérgio, aos dois, acertou o poste. Na sequência, Marcelo e Tomas Bastos pararam no goleiro Pegorari. Tomas Bastos ainda teve mais uma oportunidade, após bela jogada de Javier Reina, mas errou o alvo.

Do outro lado, o Ituano conseguiu suportar o ímpeto do time da casa e aproveitou contra-ataque, na marca dos 17 minutos para abrir a contagem. João Victor recebeu na esquerda, passou pela marcação e achou Kaio dentro da área, o camisa 7 soltou o pé e acertou o ângulo da meta adversária: 1 a 0.

A partir daí, o jogo ganhou em equilíbrio, mas perdeu intensidade. João Victor e Kaio, aos 32, quase marcaram o segundo dos visitantes, mas nas duas tentativas Vanderlei evitou o gol. Na resposta, Marcelo desperdiçou boa chance para o Fantasma.

Depois do intervalo, o Galo precisou de apenas três minutos para ampliar a contagem com Jiménez, que aproveitou cobrança de falta na área e mandou para o fundo das redes. Nos minutos seguintes, o Ituano se fechou e voltou a apostar nos contra-ataques, enquanto o Operário teve o controle da posse de bola, mas pecou na criação.

Até que, aos 34, Paulo Sérgio, de pênalti, marcou o primeiro dos mandantes. No embalo do gol, o Fantasma foi para cima e chegou a virada num intervalo de três minutos. Aos 38, Júnior Brandão recebeu na área, girou em cima da marcação e bateu sem chances de defesa.

E, aos 41, em cobrança de falta ensaiada, Chorão tocou para Pavani, que soltou o pé, a bola ainda desviou no meio do caminho e foi morrer no fundo da meta.