Confiante na classificação, Catalá pede presença da torcida: “vão viver momento especial”

O técnico Ricardo Catalá participou ao vivo do programa Show de Bola, da Rede Massa, nesta terça-feira (15) e se mostrou confiante na classificação do Operário Ferroviário para as semifinais do Campeonato Paranaense. O Fantasma perdeu por 2 a 1 para o São Joseense no último fim de semana e precisa vencer neste sábado (19), no jogo de volta, para ficar entre os quatro melhores do Estadual.

“Tenho certeza absoluta que o torcedor sabe de que lado ele vai ficar, tenho certeza que ele vai encher o estádio e nos empurrar. Tenho certeza do compromisso dos atletas e de todos que estão envolvidos para reverter essa situação, e quem estiver no estádio no sábado vai viver um momento especial”, assegura o técnico do Fantasma. Ele também garante que o time “vai dar uma demonstração pro nosso torcedor do quanto a gente merece esse carinho, esse respeito”.

Sem fugir de nenhum assunto, o técnico falou sobre o momento de instabilidade do time, inclusive com as discussões entre jogadores e torcedores após a derrota para o São Joseense no último domingo. Para ele, os resultados são levados mais em conta do que a performance dentro de campo. “A gente tem a intenção de fortalecer esse grupo que já é muito bom para que a gente possa ser competitivo e entregar todos os resultados esportivos que a gente almeja na temporada”, avalia.

E enquanto alguns torcedores pedem sua saída do comando técnico do Operário, o técnico não vê problemas com uma possível demissão e pede que a torcida foque na “Instituição Operário”, e não na figura do treinador ou de algum atleta. Ele lembra que já recusou convites para deixar o Fantasma e garante não ter medo de ser mandado embora.

“Se o treinador trabalha com medo de ser demitido ele não fica em paz, a gente tem que fazer o melhor pelo Operário, focar em fazer um grande jogo e vencer”, comenta, pedindo ainda o apoio da torcida “porque o treinador é passageiro, vem fica um ano ou dois e vai embora, a instituição é maior do que todos nós. O torcedor tem que ter isso em mente, que ele apoie o Operário, os atletas que estão representando o Operário, e todos juntos vamos sair fortalecidos desse jogo”.

O próprio Catalá diz que reconhece o valor da torcida, tanto que atuou desde sua chegada para tentar levar mais público ao Germano Krüger. “Minha primeira ação quando cheguei foi comprar uma briga com a diretoria porque existia uma distância com a torcida. Me impliquei na diminuição dos valores dos ingressos para sócio torcedor”, reforça. “Desde a minha chegada, nós estamos invictos no estádio e atribuo isso ao torcedor, ele é parte mais do que importante nisso”, completa.

Ainda sobre o apoio do torcedor, ele pede que quem comparecer ao estádio deixe as críticas para depois do apito final, mas que apoie o time durante os 90 minutos de jogo. “É difícil para o atleta sustentar uma cobrança excessiva com 10, 15 minutos de jogo. Terminar [a primeira fase] em primeiro é indicativo de que a gente tem feito muita coisa boa, sobretudo os atletas, e eu peço que eles sejam apoiados e respaldados nesse momento”, comenta.