Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Coxa repudia decisão e afirma que "sangue estará nas mãos do CAP e do TJD"

(Foto: Divulgação) - Coxa repudia decisão do TJD e diz que campeonato não tem credibilidade
(Foto: Divulgação)

O Coritiba repudiou, nesta quarta-feira (30), a decisão do Tribunal de Justiça Desportiva do Paraná (TJD-PR) de manter o Athletiba com torcida única e portões abertos, na Arena da Baixada, em Curitiba. Em nota, o clube afirmou que a “desmoralização do TJD é causa direta da perda de credibilidade do campeonato”.

A postura do adversário também foi criticada pelo Coxa, que afirmou que o clássico irá acontecer de “forma imposta pelo CAP”, sem espaço para a torcida coxa-branca, que não poderá usar camisetas ou adereços que façam alusão – mesmo que indiretamente – ao clube. “A liminar, que obrigava o CAP a vender ingressos em local próprio para torcida visitante e que garantia o uso das cores e uniformes do Coritiba pelos seus torcedores, foi simplesmente ignorada”, disse o clube, por meio de nota oficial publicada no site.

Para o alviverde, tal decisão desmoraliza o TJD-PR e tira a credibilidade do campeonato, que será disputado “sem justiça desportiva”. “Ter o torcedor adversário na arquibancada é da essência da competição e do clássico. Garantir a sua liberdade de torcer e segurança é cumprir o regulamento. E apenas um clube que se considera “acima de todos” (da Federação, do Tribunal e dos outros clubes) rasga o regulamento para criar artifícios que impeçam o torcedor adversário de torcer com segurança e com a camisa do seu time”, completou a nota.

 Por fim, o Coritiba criticou a afirmação de que a “torcida humana” diminui a violência nos estádios, e sustentou que a mistura de torcidas no Athletiba trará prejuízos. “Misturando as torcidas e coagindo centenas de coxas-brancas a, descaracterizados, se misturarem aos atleticanos, é praticamente certo um alto número de atos de violência. O sangue estará nas mãos do CAP e do TJD-PR”, finalizou.

Colaboração Robson De Lazzari/Rede Massa

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo