Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Ex-goleiro Marcos não é mais diretor de futebol do Paraná Clube

(Foto: Paraná Clube / Divulgação) - Ex-goleiro Marcos não é mais diretor de futebol do Paraná Clube
(Foto: Paraná Clube / Divulgação)

O ex-goleiro Marcos anunciou seu desligamento do Paraná Clube. A saída do time foi anunciada em uma publicação nas redes sociais, na noite de segunda-feira (18). O ex-atleta exercia a função de gerente de futebol desde o início de 2018, depois de se aposentar dos campos no final de 2017, e ocupar o cargo de diretor.

Na nota ele informou que a decisão foi tomada na última sexta-feira (15), mas que o presidente Leonardo Oliveira pediu para sua saída não ser divulgada. O ex-goleiro também desabafou, dizendo que “o que mais fazia dentro do clube era ‘apagar incêndio’” e que a prioridade, quando foi promovido a diretor de futebol, era de “bater de frente com a falta de comprometimento e profissionalismo de alguns atletas e também funcionários do clube”.

Marcos também afirmou que chegou a pedir demissão antes, mas que amigos e companheiros de trabalho o pediram para continuar.

Em outro trecho, o ex-goleiro contou que, após formada uma comissão entre diretoria, comissão técnica e analistas para contratar jogadores, ele foi contra uma decisão. “Em dezembro de 2018 foi formada uma comissão que compunha: diretoria, comissão técnica e analistas para contratação de atletas. Eu me posicionei totalmente contra a permanência de um atleta específico que não nos ajudou em nada em 2018. Sem me comunicarem absolutamente nada, agindo pelas minhas costas, esse mesmo jogador foi contratado e só fiquei sabendo no dia da apresentação dos atletas, o que me causou tamanha decepção pela falta de respeito e consideração ao meu cargo, como é possível um diretor de futebol não ser informado da contratação de um atleta?!”, desabafa.

Sem citar quem seria o jogador, Marcos ainda relatou um episódio antes de uma partida. “Na véspera do jogo contra o Cascavel, fui agredido verbalmente pelo mesmo atleta que fui contra a sua contratação, fui agredido por me posicionar contra a falta de comprometimento do mesmo. Nesta situação mais uma vez não tive o apoio da diretoria da forma que mereço. Esperei por uma atitude mais firme diante da gravidade dos fatos.”

No final da nota, ele ainda cita projetos, viagens e investimentos que seriam feitos no clube, mas que não iria comentar sobre isso no momento.

O Paraná Clube ainda não se manifestou sobre o caso.

Colaboração Patricia Zeni

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo