Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Fifa volta a multar CBF por homofobia de torcida e lança alerta

Pela segunda vez, a Fifa multou a CBF por comportamentos homofóbicos dos torcedores brasileiros num jogo das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018. Desta vez, os incidentes ocorreram na partida contra a Bolívia, no dia 6 de outubro. A multa aplicada foi de 25 mil francos suíços (cerca de R$ 83 mil), além de um alerta. Se o ritmo de punições continuar, o Brasil pode ser obrigado a mudar o local de partidas.

A CBF ainda foi multada em 15 mil francos (R$ 49 mil) por realizar uma coletiva de imprensa na Venezuela em um local "não oficial", no dia 11 de outubro.

Mas essa é a segunda vez em menos de dois meses que a CBF é multada pelo comportamentos dos torcedores. Em setembro, ela já havia sido alvo de uma punição, depois dos gritos homofóbicos dos torcedores em Manaus num jogo contra a Colômbia, também válido pelas Eliminatórias. Naquele momento, a multa imposta foi de 20 mil francos. Agora, ela já aumentou.

Se o comportamento não mudar, fontes na Fifa não descartam adotar sanções mais duras, como impedir o país de jogar em determinados locais.

A maior das penalidades até hoje foi imposta contra o Chile que, depois de já ter sido multado, voltou a cometer infrações e agora não poderá disputar o jogo do dia 28 de março contra a Venezuela no Estádio Nacional Julio Martínez Prádanos, em Santiago.

A multa ao Brasil ainda foi uma resposta clara à CBF e à Conmebol diante da tentativa dos cartolas sul-americanos, em outubro, de convencer a Fifa de que os gritos de "bicha" eram "culturais". Wilmar Valdez, presidente da Federação Uruguaia de Futebol, confirmou que reuniões foram mantidas para explicar que o uso de certas palavras para ofender o adversários não tinham o caráter de homofobia.

A Fifa rejeitou e promete que vai continuar sancionando a região. Questionada se o argumento "cultural" era válido, a secretária-geral da Fifa, Fatma Samoura, rebateu: "é uma questão de educação e não pode ser autorizada".

"O que posso dizer é que precisamos que as pessoas sejam educadas, mesmo que esteja na sua história, na sua cultura, usar palavras não amigáveis contra o adversário. Isso tem de parar. Para a Fifa a tolerância é zero em relação à homofobia, discriminação racial e discriminação de gênero", respondeu a delegada da Fifa, uma africana, negra, mulher e muçulmana. "Isso tem de parar. Para a Fifa, a tolerância é zero com relação à homofobia", disse.

"Para mim, a mensagem aos presidentes de federações é de que temos de encontrar uma base comum, trazer educação. Precisamos sensibilizar os torcedores e que tenham uma maior participação na cultura da diversidade e aceitação", disse.

Fatma admite que a luta contra esse comportamento é "de longo prazo" e que, além de sanções, um diálogo precisa ser estabelecido com a torcida para convencer os grupos de que se deve falar em respeito. "Sanções não são o único caminho. Tendo experiência na ONU, sou a favor de diálogo. Se sanções fossem as soluções para todos os problemas do mundo, não estaríamos na situação que estamos hoje", disse.

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo