Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Goleiro de 44 anos pega dois pênaltis e coloca Egito na final da Copa Africana

Aos 44 anos, o goleiro Essam El-Hadary foi o herói da classificação do Egito para mais uma final da Copa Africana de Nações. O veterano, que há duas décadas defende a seleção de seu país, pegou duas cobranças na decisão por pênaltis na semifinal do torneio, nesta quarta-feira, contra Burkina Faso. No tempo normal, o jogo terminou empatado em 1 a 1 em Libreville, no Gabão.

El-Hadary é uma lenda do futebol africano, ainda que nunca tenha tido sucesso na Europa - jogou pouco no Sion, da Suíça. Ele tem quatro títulos da Copa Africana no currículo, em 1998, 2006, 2008 e 2010. Nestes três últimos, foi eleito o melhor goleiro do torneio - na primeira conquista, ainda era reserva.

A classificação para a final do torneio, no domingo, ainda permite a El-Hadary ampliar mais um pouquinho seu recorde como jogador mais velho a entrar em campo para uma partida da Copa Africana de Nações. Nascido em 15 de janeiro de 1973, ele terá, no domingo, 44 anos e 21 dias.

Nesta quarta, ele viu Mohamed Salah, atacante da Roma, abrir o placar para o Egito. Bancé, porém, empatou para Burkina Faso, num linda jogada coletiva, que teve direito até a toque de calcanhar.

Nenhuma das duas equipes conseguiu marcar na prorrogação e o jogo foi para os pênaltis. Abdalla El-Said errou o primeiro para o Egito e, a partir dali, todo mundo acertou. Quando Koffi foi para a cobrança, El-Hadary precisava defender para evitar a eliminação do Egito. O goleiro fez uma grande intervenção, no canto, e manteve o time na disputa.

Amr Warda marcou 4 a 3 para o Egito e jogou a pressão em Bertrand Traoré, ex-Cheslea, atualmente no Ajax, que bateu no meio. El-Hadary caiu para o lado, mas, com o pé, fez a defesa que levou o Egito à decisão. Agora, resta esperar o outro finalista, que sai do duelo entre Gana e Camarões, na quinta.

O Egito tem um histórico peculiar na Copa Africana. Venceu três edições seguidas, entre 2006 e 2010, e depois ficou três edições seguidas sem sequer conseguir classificação. Agora, está de novo na final. A equipe não perde um jogo no torneio, realizado a cada dois anos, desde 2004.

Vale lembrar que o campeão da Copa Africana de Nações disputará a Copa das Confederações deste ano, na Rússia. A meta do Egito, porém, é voltar a uma Copa do Mundo depois de 26 anos - esteve só em 1934 e em 1990, ambas na Itália. O time lidera o Grupo E das Eliminatórias com seis pontos, contra quatro de Uganda, um de Gana e nenhum do Congo.