Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Mano Menezes vira o primeiro bicampeão consecutivo da Copa do Brasil

(Foto: Reprodução / Twitter / Cruzeiro) - Mano Menezes vira o primeiro bicampeão consecutivo da Copa do Brasil
(Foto: Reprodução / Twitter / Cruzeiro)

Conquistar a Copa do Brasil não é novidade para Mano Menezes, que graças ao título do Cruzeiro sobre o Corinthians, nesta quarta-feira, chegou à sua terceira taça - fora campeão também em 2017, pelo próprio clube mineiro, e 2009, dirigindo o Corinthians. Com a conquista, Mano obteve feito inédito. Em 30 anos de existência do torneio, ele se tornou o primeiro treinador a ganhar o título por dois anos consecutivos.

Até hoje, 23 técnicos sentiram o gostinho de faturar a segunda competição mais importante do País. Mano só não venceu mais edições do que Luiz Felipe Scolari, campeão em quatro ocasiões. Em dois anos, ajudou o Cruzeiro a desbancar o Grêmio como o dono de mais troféus da Copa: agora são seis dos mineiros contra cinco dos gaúchos.

A conexão dele com a equipe de Belo Horizonte, por sinal, é rara. Nenhum outro clube da elite tem em seu comando técnico alguém há tanto tempo no cargo. Já são mais de dois anos.

A segunda passagem começou no dia 26 de julho de 2016. Ao todo, aí somados os seus dois trabalhos no Cruzeiro, Mano comandou o time em 183 partidas, o que o deixa a apenas quatro de Ênio Andrade, sexto treinador que mais vezes dirigiu o clube azul de Minas Gerais na história. Com os 10 jogos restantes no Campeonato Brasileiro, ele vai ultrapassar Matturio Fabbi, o quinto na lista, com 190. E seu contrato atual só termina ao final de 2019.

Na Toca da Raposa, Mano fez o que mais gosta: reestruturou e montou um time à sua maneira. Desde o ano passado, foi filtrando os nomes com os quais gostaria ou não de trabalhar. Deu aval a negociações como a que envolveu a volta de Egídio, muito criticado em sua trajetória no Palmeiras. Bancou o argentino Barcos entre os titulares, apesar de o atacante não viver seu melhor momento na carreira. Fez a torcida e a diretoria acreditarem que era, sim, possível escalar Thiago Neves e Arrascaeta juntos.

Resumo da ópera: Egídio virou peça fundamental da equipe e parece nunca ter vestido outra camisa que não a celeste na carreira. Barcos marcou os gols da semifinal contra o Palmeiras que classificaram os mineiros à grande decisão. Thiago Neves e Arrascaeta são os artilheiros da temporada, com 13 e 12 gols, respectivamente.

A última missão em 2018 será conduzir o clube a um término digno de Brasileirão - de que o treinador abertamente abriu mão quando o funil da temporada mostrou ser inviável levar as duas competições. Com 37 pontos e uma partida a menos que os concorrentes, os mineiros se veem a confortáveis seis pontos de distância da zona de rebaixamento.

Com três títulos de Copa do Brasil e dois de Série B no currículo, falta agora ao comandante ganhar a Série A e a Copa Libertadores para completar uma ficha recheada de bons serviços prestados e curta passagem pela seleção brasileira. Por que não sonhar com tudo isso no futuro?

Grupo do Massa News no WhatsApp

Receba as principais notícias do dia direto no seu celular.

  Entrar no grupo