Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

Para jogos finais em 2016, Cuca quer 'domar' Gabriel Jesus na base da conversa

(Foto: Reprodução Facebook) - Para jogos finais em 2016, Cuca quer 'domar' Gabriel Jesus na conversa
(Foto: Reprodução Facebook)

Gabriel Jesus terá de resolver nas próximas semanas uma pendência que começou antes de ele nascer. Aos 19 anos, o atacante do Palmeiras é a principal esperança da torcida para encerrar o jejum de 22 anos sem títulos do Campeonato Brasileiro. Essa expectativa é desafio para o garoto, pois o obriga a lidar com uma grande pressão, e preocupa o técnico Cuca nestes últimos jogos da temporada.

O alívio pode vir neste domingo, caso o Palmeiras derrote o Botafogo, no estádio Allianz Parque, em São Paulo, e conte com mais duas combinações favoráveis. Ou pode se arrastar por no máximo mais duas rodadas. Os compromissos terão peso maior por se tratarem da despedida do jogador, já negociado com o Manchester City, da Inglaterra.

O artilheiro do Palmeiras no Brasileirão com 12 gols tem encarado testes constantes de equilíbrio emocional. Cuca disse nesta sexta-feira após o treino do time em Atibaia (SP) que, para um jovem de 19 anos, Gabriel Jesus tem sido muito exigido. "Ele é um menino. Tem muitas coisas na cabeça dele. Em um ano ele ganhou o ouro olímpico, virou titular na seleção brasileira, foi vendido para o futebol inglês e pode ser campeão brasileiro. Não é fácil enfrentar tudo isso", comentou.

Cuca levou o elenco para o interior paulista com o objetivo de descansar e se concentrar. Apesar da preocupação, Gabriel Jesus teve de deixar o local nesta sexta-feira em um helicóptero, que o levou para Mogi das Cruzes (SP), onde participou de evento de premiação de Jogos Escolares. A aeronave pousou ao lado do campo onde os reservas treinavam, no fim da tarde.

Os titulares fizeram trabalho regenerativo na academia e só treinam na manhã deste sábado, na última atividade antes do jogo contra os cariocas. Nos intervalos dos trabalhos, Cuca se preocupa em conversar com Gabriel Jesus para que o atacante possa ficar mais tranquilo. "Ele precisa ter muita estrutura para aguentar tudo isso. Mas tem cabeça boa", explicou o técnico.

A mãe do jogador, Vera Lúcia Jesus, também é importante nas conversas para manter o foco do garoto. O lado emocional intenso ficou evidente no empate em 1 a 1 contra o Atlético Mineiro, na última quinta-feira. Gabriel Jesus chorou na comemoração do gol que marcou, quase brigou em campo com Leandro Donizete e, em uma entrevista ao vivo ao fim da partida para o canal SporTV, deixou escapar um palavrão. "Ele tem sangue quente. Mas se não tivesse esse espírito de luta em campo, teríamos perdido para o Atlético. Era preciso ter muita entrega, maior que a deles, para a gente não perder", elogiou Cuca.

COMPORTAMENTO - A sequência do Palmeiras vai exigir equilíbrio do atacante, pendurado com dois cartões amarelos. Caso seja punido contra o Botafogo, por exemplo, não jogará mais no estádio Allianz Parque antes de se despedir. "Acho que, quando me despedir da arena, não vou me conter. Tomara que seja com título", disse Gabriel Jesus. Depois do time carioca, a equipe tem como adversários a Chapecoense, em casa, e o Vitória, em Salvador.

O temor com cartões e provocações dos zagueiros pontua o trabalho de Cuca desde abril, quando o atacante foi expulso em jogo da Copa Libertadores na Argentina contra o Rosário Central. Naquela partida, Gabriel Jesus fez dois gols no empate em 3 a 3, mas o cartão vermelho dificultou as chances de vitória do Palmeiras e a consequente classificação à próxima fase do torneio.