Pela paz entre torcidas, jogadores “trocam de lado” em Athletiba Solidário

Pandemia, guerra na Ucrânia, crise econômica e violência no futebol. Todos esses fatores entraram em campo no último sábado (12) no Futebol Solidário, evento promovido pela UP Experience, em Curitiba, em prol das crianças do Centro Municipal de Ensino Infantil Maria Amélia e do Jardim Gabineto – uma das comunidades mais carentes de Curitiba. Ao todo, foram arrecadados mais de três mil litros de leite que serão doados nesta semana para a instituição, que atende, gratuitamente e em período integral, cerca de 100 crianças em situação de vulnerabilidade social.

Além da arrecadação dos donativos, o Atletiba ficou marcado por uma ação inédita. O ídolo rubro-negro e campeão brasileiro pelo clube em 2001, Cocito, e Elizeu, campeão brasileiro pelo Coxa em 1985, vestiram pela primeira vez a camisa do time rival. A iniciativa teve como objetivo incentivar e promover a paz entre as torcidas. Recentemente, os ônibus do Bahia, Grêmio de Porto Alegre e Cascavel foram apedrejados. Além disso, o gramado do Durival de Britto, estádio do Paraná Clube, foi invadido e jogadores foram agredidos após o rebaixamento do time para a segunda divisão do Campeonato Paranaense.

Esses absurdos motivaram a organização do evento e os dois maiores clubes do Estado a promover essa troca de camisas. Além de impactar as mais de 200 pessoas que enfrentaram a chuva para assistir à partida das arquibancadas na UPX Sports, na Universidade Positivo, a ação tomou as redes sociais.

Em seu Instagram, Cocito escreveu: “Atletiba solidário e da paz! Ontem, vesti a camisa do Coritiba simbolizando a paz, mostrando que somos adversários sim, porém, inimigos jamais! O mundo já está cheio de maldade, violência e falta de empatia, portanto, foi uma oportunidade para mostrar que nada disso vale a pena! Saúde, paz e amor a todos”.

Segundo ele, a ideia foi impactar mesmo. “O meu coração continua sendo rubro-negro e sempre será. Vesti a camisa do nosso rival apenas nesta oportunidade para mostrar que podemos ter mais respeito e empatia. Senão, nosso mundo vai virar apenas violência, guerra e maldade. Mas tenho certeza que a bondade e o amor irão vencer, sempre”, declarou o ex-volante que, além de participar do jogo, doou dezenas de latas de leite em pó para as crianças do Jardim Gabineto.

Elizeu engrossou o coro: “Não podemos parar a guerra na Ucrânia, ainda não conseguimos acabar com a pandemia, mas podemos começar a mudar a nossa realidade, com o que está mais próximo de nós, ao nosso alcance. E foi isso que fizemos no Atletiba do último sábado. Além de ajudar as crianças, quisemos mostrar que não vamos mais tolerar agressões e desrespeito – seja contra torcedores adversários ou jogadores”.