Você poderá alterar sua localização a qualquer momento clicando aqui.
Ocultar   |   Alterar cidade
Você está vendo conteúdo de Curitiba e região.
Ocultar   |   Alterar cidade

De olho em novo ciclo olímpico, Nory e Rebeca passarão por cirurgias

Para começar bem a preparação para a Olimpíada de Tóquio-2020, os ginastas brasileiros decidiram agir no início do ciclo olímpico. Depois da artroscopia no ombro esquerdo de Arthur Zanetti, será a vez de Arthur Nory Mariano e Rebeca Andrade serem submetidos a procedimentos cirúrgicos.

Convivendo com dores desde o ano passado, Nory sabe que o momento é ideal para colocar fim ao incômodo. E ele passará por duas cirurgias de uma só vez: no ombro direito e no pé direito. Antes de optar pela operação, o atleta fez o tratamento PRP (Plasma Rico em Plaquetas) na tentativa de amenizar o problema. Diante de uma piora no quadro, a decisão foi sacramentada.

"Estou ansioso, mas tem de arrumar agora, passei o ciclo inteiro com altos e baixos, sentindo muita dor, tendo de segurar e dar passo para trás para melhorar a dor. Acredito que preciso disso para começar bem o ciclo para Tóquio", afirma.

Nory disputa o Brasileiro de Ginástica Artística, que começou nesta quinta-feira e vai até domingo, em São Paulo, com o objetivo de ajudar seu clube, o Pinheiros, na disputa por equipes. Passado o compromisso, dará uma pausa na ginástica. No ombro, ele possui uma lesão não completa no tendão supra espinhal. "No pé, o médico vai tirar um corpo livre e dar uma lixada em um dos ossos que estão batendo. É isso que dói na chegada", explica.

O período de recuperação estimado é de cinco a seis meses. A meta do ginasta é estar "zerado" para o Mundial de Montreal (Canadá), em setembro de 2017.

O caso de Rebeca Andrade não é tão preocupante. Ela será submetida a uma artroscopia no joelho direito. "Vou fazer uma limpeza no joelho, mas estou bem. Foi uma má cicatrização porque voltei muito rápido por causa da Olimpíada. Não é nada de mais", minimizou.

A atleta de 17 anos ficou fora dos Jogos Pan-Americanos de Toronto (Canadá) e do Mundial de Glasgow (Escócia), ambos em 2015, depois de uma cirurgia no ligamento cruzado anterior do joelho direito. E passou por um período intenso de recuperação para defender o Brasil na Olimpíada. Destaque no Rio, Rebeca sagrou-se campeã brasileira no individual geral nesta quinta-feira e comprovou ser a ginasta mais completa do País atualmente.