“Guerra é uma grande motivação”, diz chefe paralímpico da Ucrânia

Por Dhruv Munjal

ZHANGJIAKOU, China (Reuters) – Valerii Sushkevych sabe muito bem o impacto emocional que a guerra na Ucrânia causou em seus atletas, mas o presidente do comitê paralímpico do país diz que o fato também os ajudou nos Jogos de Pequim a conquistar a maior quantidade de medalhas de ouro de sua história.

A equipe paralímpica da Ucrânia quase não chegou à capital chinesa devido a desafios logísticos causados ​​pela guerra, que começou com a invasão da Rússia em 24 de fevereiro.

Cidades ucranianas estão sob forte bombardeio russo enquanto a equipe compete em Pequim, e mais de 2 milhões de refugiados, principalmente mulheres e crianças, fugiram para países vizinhos na Europa.

“Essa é uma das razões pelas quais tivemos resultados tão bons nestes Jogos. Conquistamos nove medalhas em um dia (no início da semana)”, disse Sushkevych à Reuters na Vila Paralímpica de Zhangjiakou.

“Isso nunca aconteceu em nossa história. Em Copas do Mundo recentes, eles só conseguiram o quinto ou sexto lugar. Tivemos Mundial em janeiro e nenhum desses atletas ganhou medalhas. A guerra é uma grande motivação, uma motivação poderosa.”

Para um país relativamente pequeno que não é visto como uma força nas Olimpíadas, a Ucrânia tem sido uma potência no paradesporto. Em Pequim, a delegação conquistou notáveis ​​25 medalhas, incluindo nove de ouro, ficando atrás apenas da China no quadro de medalhas.

A jornada para o pódio não foi fácil: preocupados com o destino de suas famílias, a maioria dos atletas dormiu pouco nas últimas duas semanas, esperando desesperadamente por qualquer notícia positiva.

“Todas as manhãs, eles ligam para mãe, pai, avó, filha e esperam por uma resposta. E eles têm muito medo de não obterem uma resposta”, disse Sushkevych, de 67 anos, que teve poliomielite quando criança e mais tarde competiu como nadador paralímpico.

“Esta é a realidade de nossas vidas agora. Todos os dias e noites, estamos tentando descobrir se nossa família está viva ou não. É terrivelmente difícil viver com os perigos desta guerra.”