Médicos de Tóquio pedem cancelamento da Olimpíada devido à pandemia

Por Antoni Slodkowski

TÓQUIO (Reuters) – Uma organização médica de destaque de Tóquio expressou apoio aos apelos pelo cancelamento da Olimpíada da capital japonesa, dizendo que os hospitais já estão sobrecarregados agora que o Japão enfrenta um pico de infecções de coronavírus a menos de três meses do início dos Jogos.

A Associação de Profissionais Médicos de Tóquio, que representa cerca de seis mil médicos de atendimento primário, disse que os hospitais da cidade-sede do evento “estão cheios de trabalho e quase não têm capacidade restante” em meio à disparada de infecções.

“Pedimos enfaticamente que as autoridades convençam o COI (Comitê Olímpico Internacional) que realizar os Jogos é difícil e obtenham sua decisão de cancelar os Jogos”, disse a associação em uma carta aberta de 14 de maio ao primeiro-ministro, Yoshihide Suga, que foi publicada em seu site na segunda-feira.

Um salto de infecções provoca alarme em meio à escassez de pessoal médico e leitos hospitalares em algumas áreas da capital japonesa, levando o governo a prorrogar um terceiro estado de emergência em Tóquio e vários outros municípios até 31 de maio.

Os médicos enfrentarão em breve a dificuldade adicional de lidar com pacientes com insolação durante os meses de verão, e se a Olimpíada contribuir para um aumento de mortes, “o Japão terá a responsabilidade máxima”, acrescentou a entidade.

O país tem evitado a disseminação explosiva do vírus vista em outras nações, mas o governo é criticado pela campanha de vacinação lenta – só 3,5% de seus cerca de 126 milhões de habitantes foram inoculados, segundo um monitor da Reuters.